Archive for 30 de novembro de 2012

Confiança na vida eterna

Portanto, temos sempre confiança e sabemos que, enquanto estamos no corpo, estamos longe do Senhor.
Porque vivemos por fé, e não pelo que vemos.
Temos, pois, confiança e preferimos estar ausentes do corpo e habitar com o Senhor. (2 Co 5:6-8)

Paulo não tinha medo de morrer porque confiava que passaria a eternidade com Cristo. É claro que enfrentar o desconhecido pode nos causar ansiedade, e a possibilidade de  deixar nossos amados é algo que nos fere profundamente. Mas, se cremos em Jesus Cristo, podemos compartilhar a mesma esperança e confiança que Paulo tinha da vida eterna com Cristo.

Para aqueles que creem em Cristo, a morte é apenas uma passagem para a vida eterna com Deus. Continuaremos a viver. Que esta verdade lhe dê confiança e o inspire a servir fielmente a Deus.

Fonte: Bíblia de Estudo – Aplicação pessoal (Ed. CPAD)

Ministros da Nova Aliança

Não podemos reivindicar qualquer coisa com base em nossos próprios méritos. Nossa capacidade vem de Deus. E Ele nos capacitou para sermos ministros de uma nova aliança. (2 Co 3:5-6a)

Que possamos exercer este ministério que nos foi confiado por Deus com devoção e humildade de coração.

A vocês, graça e paz da parte de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo. 
(2 Co 1:2)

O trabalho não será inútil

É frequente que o desânimo tome conta de nós quando, apesar de muito esforço, não conseguimos enxergar os frutos do trabalho na obra de Deus. Acontece que nem sempre será possível identificar os alvos atingidos… Talvez, por exemplo, você esteja tão empenhado na evangelização de um parente, que nem se dá conta de quantos colegas de trabalho enxergam Cristo em você.

É preciso ter em mente que somos apenas servos. Os frutos do nosso trabalho não serão colhidos por nós, mas por Deus. Portanto, não devemos plantar apenas pela satisfação de vermos que o trabalho prosperou, mas sim pelo desejo de que mais e mais pessoas conheçam a Cristo – e que Deus faça a colheita, porque é dEle todo o mérito, afinal a Palavra do Senhor não voltará vazia (Is 55:11).

Portanto, meus amados irmãos, mantenham-se firmes, e que nada os abale. Sejam sempre dedicados à obra do Senhor, pois vocês sabem que, no Senhor, o trabalho de vocês não será inútil. (1 Co 5:58)

E ainda que tudo pareça obscuro, estejam vigilantes, mantenham-se firmes na fé, sejam homens de coragem, sejam fortes. (1 Co 16:13)

Se não tiver amor

Paulo fez uma linda descrição do amor na primeira carta aos Coríntios, capítulo 13. É quase uma poesia, texto muito usado em casamentos e ocasiões especiais.

Já falamos aqui sobre a lei do “olho por olho” somada ao mandamento do amor, mas as características do amor descritas em 1 Coríntios completam ainda mais o entendimento  sobre como devemos amar o inimigo.

Primeiro, vamos recordar as palavras de Jesus sobre isso:

Mas eu digo a vocês que estão me ouvindo: Amem os seus inimigos, façam o bem aos que os odeiam, abençoem os que os amaldiçoam, orem por aqueles que os maltratam. (Lc 6:27-28)

Mas eu lhes digo: Amem os seus inimigos e orem por aqueles que os perseguem,
para que vocês venham a ser filhos de seu Pai que está nos céus. (Mt 5:44-45a)

Amem, porém, os seus inimigos, façam-lhes o bem e emprestem a eles, sem esperar receber nada de volta. (Lc 6:35a)

Jesus nos pede para amar sem esperar nada em troca, ainda que os alvos deste amor  sejam nossos inimigos. Ele nos ensina a amar como Ele próprio nos ama, incondicionalmente. E como é amar incondicionalmente? Paulo nos dá algumas dicas de como é esse amor:

O amor é paciente, o amor é bondoso.
Não inveja, não se vangloria, não se orgulha.
Não maltrata, não procura seus interesses,
não se ira facilmente, não guarda rancor.

O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade.
Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. 
(1 Co 13:4-7)

Será que somos capazes de amar esse amor? Às vezes é difícil amar com paciência até mesmo aqueles entes mais queridos – que dirá os inimigos!

Mas é isso o que Deus espera de nós e é esse o nosso alvo, nossa meta. Devemos nos esforçar para amar acima de todas as coisas, a Deus em primeiro lugar e ao próximo como a nós mesmos – incluindo os inimigos (Mt 22:39).

Tudo é permitido

O que é pecado? Com frequência não crentes questionam os hábitos de cristãos, taxando-os de radicais, extremistas, etc. A bebida é um caso típico. Usa-se até o milagre de Jesus, ao transformar água em vinho, para sustentar que não há problemas em ser cristão e beber. Bom, de fato, o pecado “beber” não está tipificado na bíblia. Entretanto, este mesmo livro, código de conduta para os que creem, apresenta outros motivos para que um cristão evite beber e também praticar outras ações que possam, de certa forma, escandalizar a sociedade.

  • Em primeiro lugar, devemos nos lembrar de que tudo é permitido, mas nem tudo convém (1 Co 6:12a).

    E porque algo, que não seja exatamente um pecado, não seria conveniente? Bom, eu vejo como o principal motivo o testemunho. Se o que fazemos escandaliza, de alguma forma, aqueles que estão à nossa volta e diminui as chances de que eles vejam Cristo em nós, então essa coisa, definitivamente, não convém! Portanto, se aquilo que eu como leva o meu irmão a pecar, nunca mais comerei carne, para não fazer meu irmão tropeçar (1 Co 8:13).
  • Em segundo lugar, não podemos nos esquecer de que embora tudo seja permitido, não devemos deixar que nada nos domine (1 Co 6:12b).

    A bebida o domina? Afaste-se dela. A comida o domina? Afaste-se dela. Jogos o dominam? Afaste-se deles. Não foi à toa que Salomão afirmou: Porque o beberrão e o comilão acabarão na pobreza; e a sonolência os faz vestir-se de trapos (Pv 23:21). O homem que se deixa dominar pelas coisas deste mundo, qualquer que seja, está perdido.

Que nossas vidas sejam dominadas exclusivamente pelo Soberano Senhor, para que tenhamos discernimento para fazer o que é correto aos olhos de Deus, sempre com o objetivo de disseminar o evangelho, seja com palavras ou com ações.

Alicerce

Porque ninguém pode colocar outro alicerce além do que já está posto, que é Jesus Cristo.
Se alguém constrói sobre esse alicerce, usando ouro, prata, pedras preciosas, madeira, feno ou palha, sua obra será mostrada, porque o Dia a trará à luz; pois será revelada pelo fogo, que provará a qualidade da obra de cada um.
Se o que alguém construiu permanecer, esse receberá recompensa.
Se o que alguém construiu se queimar, esse sofrerá prejuízo; contudo, será salvo como alguém que escapa através do fogo
(1 Co 3:11-15)

Não há algo mais em que se apoiar do que em Jesus, o único alicerce firme o suficiente para suportar todo o peso dos nossos pecados – Ele é a rocha que não se abalará.

Para todos os nossos problemas, Jesus é a solução. E ainda que venhamos a construir sobre o alicerce algo frágil como a palha, estaremos seguros por Sua força e poder.

Não desanime. Viva seguro com Jesus!

Ânimo ao coração

Plano de leitura diária da bíblia para 2012 – Semana 48

Clique aqui para ter acesso ao plano de leitura completo.

O poder do testemunho

Os tessalonicenses haviam conhecido a mensagem de Boas Novas durante a segunda viagem missionária de Paulo. Ali, em Tessalônica, se formou uma igreja de grande fé, porque o evangelho não chegou a eles somente em palavra, mas também em poder, no Espírito Santo e em plena convicção (1 Ts 1:5a).

Impedidos de visitar novamente a cidade onde plantaram a boa semente, Paulo e Silas escreveram aos tessalonicenses e não pouparam elogios à boa conduta daqueles cristãos recém convertidos. Entre outros aspectos é ressaltado o bom testemunho daquela igreja local:

Tornaram-se modelo para todos os crentes que estão na Macedônia e na Acaia.
Porque, partindo de vocês, propagou-se a mensagem do Senhor na Macedônia e na Acaia. Não somente isso, mas também por toda parte tornou-se conhecida a fé que vocês têm em Deus. O resultado é que não temos necessidade de dizer mais nada sobre isso, pois eles mesmos relatam de que maneira vocês nos receberam, como se voltaram para Deus, deixando os ídolos a fim de servir ao Deus vivo e verdadeiro,
e esperar dos céus a seu Filho, a quem ressuscitou dos mortos: Jesus, que nos livra da ira que há de vir. 
(1 Ts 1:7-10)

Fé verdadeira resulta em bom testemunho e um bom testemunho fala mais do que mil palavras. Os tessalonicenses são um bom exemplo para nós. Desejamos evangelizar? Então devemos primeiramente cuidar para que nosso testemunho seja aquele que Deus espera de nós e condizente com as palavras que proferimos. Possivelmente iremos perceber que as palavras serão cada vez mais desnecessárias…

FIQUEM COM DEUS

Disputas e contendas

Algum tempo depois, Paulo disse a Barnabé: “Voltemos para visitar os irmãos em todas as cidades onde pregamos a palavra do Senhor, para ver como estão indo”.
Barnabé queria levar João, também chamado Marcos.
Mas Paulo não achava prudente levá-lo, pois ele, abandonando-os na Panfília, não permanecera com eles no trabalho.
Tiveram um desentendimento tão sério que se separaram. Barnabé, levando consigo Marcos, navegou para Chipre, mas Paulo escolheu Silas e partiu, encomendado pelos irmãos à graça do Senhor. 
(At 15:36-40)

Neste trecho da Palavra de Deus, temos o relato de uma briga entre dois ministros, nada menos do que Paulo e Barnabé, simplesmente porque Barnabé desejava que seu sobrinho João Marcos viajasse com eles. Entretanto Paulo não achava que João Marcos fosse digno desta honra, nem que ele estaria apto para o serviço, já que durante a viagem anterior os havia abandonado sem avisar ou pedir consentimento (At 13:13). Como sabemos, este desentendimento foi resolvido e com ele se cumpriu o propósito de Deus, já que separados, puderam disseminar o evangelho a um número maior de pessoas.

Mas interessante é perceber que mesmo o melhor dos homens é apenas homem e está, portanto, sujeito às mesmas paixões que nós. Talvez tenha havido falhas de ambos os lados, como é comum em tais situações – Apenas Cristo é homem digno de servir de exemplo, imaculado. Então, não devemos estranhar se houver diferenças entre homens sábios e bons, assim como aconteceu com Paulo e Barnabé. Afinal, vai ser assim enquanto estivermos neste estado mortal imperfeito – nunca seremos todos uma só mente até chegarmos ao céu.

Precisamos entender que o mal, o orgulho e a paixão, que são encontrados até mesmo em homens de bem, fazem o mundo – e fazem a igreja!

Muitos dos que habitavam em Antioquia e que tinham ouvido falar pelo menos um pouco da devoção e da piedade de Paulo e Barnabé, agora ouviam sobre o seu litígio e separação. Assim também acontecerá conosco se dermos lugar à disputa e deixaremos de alcançar almas para Cristo enquanto alimentamos a discussão.

Em suas epístolas, escritas após este evento, Paulo fala com estima e afeto tanto de Barnabé como de Marcos.

Que todos os que confessam o Teu nome, ó piedoso Salvador, sejam completamente reconciliados por esse amor derivado de Ti, que não se irrita facilmente e que logo se esquece das feridas, enterrando-as.

Traduzido e adaptado de Bible Gateway (comentários de Matthew Henry – Atos 15)