Archive for Atos

Eu espero Jesus

Um professor de escola dominical deu a cada menino em sua aula um Novo Testamento e incentivou cada um deles a escrever seu próprio nome na capa.

Várias semanas mais tarde, depois de convidar repetidamente os meninos a receberem a Cristo como seu Salvador, ele pediu que eles escrevessem estas palavras sob seu nome: “Eu aceito Jesus”. Porém, em vez disso um dos meninos escreveu “Eu espero Jesus”. Ao conversar com o menino, o professor ele percebeu que ele sabia bem o que tinha escrito – Ele não só confiou no Senhor para a salvação, mas esperava que ele estivesse com ele em todos os momentos e para fazer tudo o que Ele havia prometido.

A declaração deste menino é um comentário simples – mas profundo – sobre o verdadeiro significado da fé.

Em Atos 27, vemos a fé esperançosa do apóstolo Paulo. Ele era um prisioneiro sendo transportado de navio para Roma, quando uma violenta tempestade se levantou e ameaçou destruir o navio. Durante a noite, um anjo do Senhor disse a Paulo que todos iriam sobreviver (At 27:23-24). Ele sabia que podia confiar na palavra do Senhor. No meio da tempestade, ele disse, creio em Deus, que há de acontecer assim como a mim me foi dito (At 27:25). E assim foi.

Não deve ser nenhuma surpresa para nós quando Deus guarda a sua palavra. É isso o que devemos esperar dEle.

Fonte: Our Daily Bread

Aproveite a oportunidade

Ao voltar para Jerusalém, Paulo foi acusado injustamente pelos judeus e levado ao tribunal romano. Ficou preso por alguns anos, mas todas as vezes que pôde falar em sua defesa, aproveitou a oportunidade para anunciar as boas novas. (Leia Atos 24, 25 e 26)

Quantas oportunidades perdemos de falar aos outros da salvação em Cristo, porque nos preocupamos mais com nós mesmos. Por vezes, inclusive, oramos a Deus pedindo que Ele nos conceda uma oportunidade para alcançar alguém, mas no dia a dia, deixamos de perceber que as oportunidades estão sempre ali.

Apresentar sua própria defesa em um tribunal certamente não parece ser a melhor hora e local para falar de Jesus, mas foi essa a oportunidade que o Senhor deu a Paulo – e ele estava atento a isso.

Se observarmos bem, as oportunidades para nós também estão ali, diante de nós – basta querermos enxergá-las. Fale hoje de Jesus para alguém. Amanhã pode ser muito tarde…

Desejo de viver

Certa vez perguntaram a um alpinista do Colorado se ele achava que os alpinistas tinham o desejo de morrer. Ele respondeu: “Na verdade, eles têm o desejo de viver – de viver a vida ao máximo”. Como um alpinista cuidadoso, ainda que aventureiro, ele explicou por que ele considerava que os riscos valiam a pena: “Quando chegar a hora de eu morrer”, disse ele “Eu não desejo descobrir que eu não vivi”.

Quando apóstolo Paulo viajou para Jerusalém, deve ter parecido aos seus amigos mais íntimos que ele tinha o desejo de morrer. Várias pessoas o avisaram do perigo e pediram para que ele não fosse (At 21:4-12). Mas Paulo já tinha se decidido enquanto estava em Éfeso, quando afirmou claramente que o seu objetivo era “cumprir com alegria a carreira e o ministério que havia recebido do Senhor Jesus, para dar testemunho do evangelho da graça de Deus” (At 20:24).

Paulo não correu riscos desnecessários em seu testemunho como cristão, mas ele nunca se esquivou de declarar publicamente sua fé em Jesus Cristo. Seu objetivo não era apostar no seguro e se proteger. Em vez disso, ele viveu para terminar a sua corrida espiritual com alegria, e para completar a tarefa que Deus reservou para ele.

A coragem de Paulo nos desafia a viver para Cristo com abandono altruísta, não apreensão. Essa é a maneira de conhecer realização e alegria definitivas. Será que compartilhamos hoje o desejo de viver de Paulo?

Fonte: Our Daily Bread

Bençãos apesar do choro

Quando chegaram, Paulo lhes disse: Vocês sabem como vivi todo o tempo em que estive com vocês, desde o primeiro dia em que cheguei à província da Ásia.
Servi ao Senhor com toda a humildade e com lágrimas, sendo severamente provado pelas conspirações dos judeus.
Vocês sabem que não deixei de pregar-lhes nada que fosse proveitoso, mas ensinei-lhes tudo publicamente e de casa em casa.
Testifiquei, tanto a judeus como a gregos, que eles precisam converter-se a Deus com arrependimento e fé em nosso Senhor Jesus. 
(Atos 20:18-21)

O caminho do cristão não é fácil; ser um cristão não significa ausência de problemas ou ter todos os problemas ou ter todos os problemas solucionados. Paulo serviu a Deus humildemente e “com muitas lágrimas”, mas nunca parou nem desistiu. A mensagem da salvação era tão importante que ele nunca perdeu uma oportunidade de compartilhá-la. Embora tenha pregado o evangelho de variadas maneiras para os diferentes tipos de público, o conteúdo da mensagem permaneceu sempre o mesmo: afaste-se do pecado e aproxime-se de Cristo pela fé.

A vida cristã enfrenta tempos difíceis, há sofrimento e choro, bem como alegria, mas devemos estar sempre prontos para contar aos outros as coisas boas que Deus fez por nós! Suas bençãos excedem em muito as dificuldades da vida.

Fonte: Bíblia de Estudo – Aplicação pessoal (Ed. CPAD)

Disputas e contendas

Algum tempo depois, Paulo disse a Barnabé: “Voltemos para visitar os irmãos em todas as cidades onde pregamos a palavra do Senhor, para ver como estão indo”.
Barnabé queria levar João, também chamado Marcos.
Mas Paulo não achava prudente levá-lo, pois ele, abandonando-os na Panfília, não permanecera com eles no trabalho.
Tiveram um desentendimento tão sério que se separaram. Barnabé, levando consigo Marcos, navegou para Chipre, mas Paulo escolheu Silas e partiu, encomendado pelos irmãos à graça do Senhor. 
(At 15:36-40)

Neste trecho da Palavra de Deus, temos o relato de uma briga entre dois ministros, nada menos do que Paulo e Barnabé, simplesmente porque Barnabé desejava que seu sobrinho João Marcos viajasse com eles. Entretanto Paulo não achava que João Marcos fosse digno desta honra, nem que ele estaria apto para o serviço, já que durante a viagem anterior os havia abandonado sem avisar ou pedir consentimento (At 13:13). Como sabemos, este desentendimento foi resolvido e com ele se cumpriu o propósito de Deus, já que separados, puderam disseminar o evangelho a um número maior de pessoas.

Mas interessante é perceber que mesmo o melhor dos homens é apenas homem e está, portanto, sujeito às mesmas paixões que nós. Talvez tenha havido falhas de ambos os lados, como é comum em tais situações – Apenas Cristo é homem digno de servir de exemplo, imaculado. Então, não devemos estranhar se houver diferenças entre homens sábios e bons, assim como aconteceu com Paulo e Barnabé. Afinal, vai ser assim enquanto estivermos neste estado mortal imperfeito – nunca seremos todos uma só mente até chegarmos ao céu.

Precisamos entender que o mal, o orgulho e a paixão, que são encontrados até mesmo em homens de bem, fazem o mundo – e fazem a igreja!

Muitos dos que habitavam em Antioquia e que tinham ouvido falar pelo menos um pouco da devoção e da piedade de Paulo e Barnabé, agora ouviam sobre o seu litígio e separação. Assim também acontecerá conosco se dermos lugar à disputa e deixaremos de alcançar almas para Cristo enquanto alimentamos a discussão.

Em suas epístolas, escritas após este evento, Paulo fala com estima e afeto tanto de Barnabé como de Marcos.

Que todos os que confessam o Teu nome, ó piedoso Salvador, sejam completamente reconciliados por esse amor derivado de Ti, que não se irrita facilmente e que logo se esquece das feridas, enterrando-as.

Traduzido e adaptado de Bible Gateway (comentários de Matthew Henry – Atos 15)

Boas novas de liberdade e vida

A questão dos cristãos gentios terem ou não de obedecer à Lei de Moisés para serem salvos tornou-se importante (At 15:1-35). As controvérsias se intensificaram muito devido ao sucesso das novas igrejas formadas por gentios (não judeus). Os conservadores da igreja em Jerusalém eram liderados por fariseus convertidos, que preferiam uma religião legalista a uma baseada exclusivamente na fé. Se os conservadores tivessem vencido, os gentios seriam obrigados a converterem-se e serem circuncidados. Isto reduziria o cristianismo à condição de mais uma seita do judaísmo.

Podemos errar inconscientemente ao apoiar tradições, estruturas e rituais como demonstrações de obediência a Deus. Por isso, é importante estarmos certos de que as Boas Novas irão proporcionar liberdade e vida àqueles a quem tentamos alcançar.

Fonte: Bíblia de Estudo – Aplicação pessoal (Ed. CPAD)

Da maneira de Deus

A cada dia mais ouvimos falar de grupos de pessoas que afirmam estar fazendo coisas em nome de Deus ainda não pareçam verdadeiramente servi-Lo.

Como exemplo, podemos citar cultos liderados por um líder com o magnetismo pessoal, que atrai as pessoas para si mesmo com promessas, afirmando ter conhecimento especial de Deus – a igreja cresce em número de pessoas, mas nem sempre tem Cristo como guia.

Para evitar ser levado por esse tipo de pessoa, pode ser útil olhar de perto as sugestões de Watchman Nee, um escritor cristão chinês. Ele disse que Deus vai abençoar:

  • o que Ele inicia
  • o que depende Dele para ter sucesso
  • o que é feito de acordo com a Sua Palavra
  • o que é feito para a Sua glória

O trabalho de Paulo e Barnabé em sua primeira viagem missionária estava de acordo com essas orientações. Como lemos em Atos 13:1-12, vemos que:

  • foi Deus que deu início ao trabalho (v.2)
  • o povo dependia de Deus (v.3)
  • o trabalho foi feito de acordo com a Palavra de Deus (v.5)
  • Deus recebeu a glória (v.12)

Sempre que nos perguntarmos se algum trabalho de que ouvimos é feito com a bênção de Deus, podemos aplicar esse teste das quatro etapas. É uma boa maneira de verificar que as coisas estão sendo feitas da maneira de Deus e não do homem.

Fonte: Our Daily Bread

Deus não se esconde

Havia em Cesaréia um homem chamado Cornélio, centurião do regimento conhecido como Italiano. Ele e toda a sua família eram piedosos e tementes a Deus; dava muitas esmolas ao povo e orava continuamente a Deus. 
(At 10:1-2)

O que acontecerá ao pagão que nunca ouviu falar a respeito de Cristo? Esta pergunta frequentemente remete à justiça de Deus. Cornélio não era um crente em Cristo, mas buscava a Deus e era reverente e generoso. Sendo assim, Deus enviou Pedro para que falasse com ele sobre Cristo. Isto mostra que Deus é galardoador dos que o buscam. Aqueles que buscam sinceramente a Deus, conseguirão encontrá-lo!

Deus enviou o seu Filho, porque ama o mundo inteiro. Ele não faz uso do favoritismo, nem se esconde daqueles que querem encontrá-lo.

Fonte: Bíblia de Estudo – Aplicação pessoal (Ed. CPAD)

 Sem fé é impossível agradar a Deus, pois quem dele se aproxima precisa crer que Ele existe e que recompensa aqueles que o buscam

(Hb 11:6)

Crente de verdade

Nem sempre o que parece é.

Nas igrejas por aí há muitos que se dizem crentes, batizados, que participam da ceia, às vezes muito assíduos aos cultos, mas no fundo do coração, ainda não se converteram de fato.

Há muitos motivos para este fenômeno. O principal deles, ao meu ver, é a aceitação social – alguém que está cercado de crentes, se faz passar por crente para ser aceito.

Vejam a história de Simão (Atos 8:9-24). Considerado um deus pelo povo de Samaria, Simão deve ter se sentido diminuído quando os seus seguidores passaram a seguir a Jesus Cristo de pois de terem ouvido de Filipe as mensagens das boas novas. Não pensou duas vezes: “converteu-se” e foi “batizado”. Tornou-se um seguidor de Filipe, maravilhado com o que ouvia e via, talvez tentando se aproximar com o objetivo de descobrir qual seria o truque por trás dos milagres operados. Simão de fato parecia ser um crente, mas não era. Sua conversão foi por interesse, seu batismo, um mergulho em água. Isso ficou evidente quando ele tentou comprar o poder do Espírito Santo…

A história de Simão nos ensina algumas coisas:

1- Não basta afirmar ser crente em Jesus, é preciso se entregar de coração a Cristo. Você pode até enganar aos homens, mas Deus sabe o que há no coração.

2- Infelizmente, nem todos em uma igreja são crentes verdadeiros. Satanás deseja nos atacar até mesmo onde somos mais fortes, reunidos para adorar a Deus, portanto, não se afaste de sua igreja se encontrar alguém que não se encaixa no perfil de um cristão. Talvez essa pessoa ainda não tenha tido a oportunidade de se converter verdadeiramente. Ore por ela. Você estará ajudando-a a encontrar o caminho e fortalecendo a igreja de Cristo.

3- Há esperança. Ao perceber que Simão não havia se convertido de coração, Pedro lhe repreendeu, dizendo: Arrependa-se dessa maldade e ore ao Senhor. Talvez ele lhe perdoe tal pensamento do seu coração, pois vejo que você está cheio de amargura e preso pelo pecado (At 8:22-23). Esvazie-se da amargura e do pecado. Arrependa-se e ore ao Senhor. Ele perdoará aqueles de coração sincero.

Em qualquer circunstância

A ressurreição de Jesus encheu os apóstolos de esperança. Cheios do Espírito Santo, pregavam as boas-novas do evangelho por onde iam, anunciavam e exaltavam o nome de Jesus Cristo.

Por este motivo, foram presos. Os líderes religiosos de Israel não podiam suportar o fato de que Jesus ainda estava presente, ainda que morto, e menos ainda a quantidade crescente de seguidores que os apóstolos reuniam dia após dia.

Para não causar um tumulto ainda maior, decidiram libertar os presos.

Chamaram os apóstolos e mandaram açoitá-los. Depois, ordenaram-lhes que não falassem em nome de Jesus e os deixaram sair em liberdade.
Os apóstolos saíram do Sinédrio, alegres por terem sido considerados dignos de serem humilhados por causa do Nome.
Todos os dias, no templo e de casa em casa, não deixavam de ensinar e proclamar que Jesus é o Cristo.
(At 5:40-42)

Depois de açoitados, os apóstolos estavam doloridos, sujos, ensanguentados e… Felizes! Mesmo cientes de que poderiam passar por toda essa situação novamente – prisão, humilhação, açoite – não deixaram de proclamar que Jesus é o Cristo.

Não importam as circunstâncias…

Seremos felizes se nossas vidas estiverem cheias do amor e misericórdia de Deus.

Não importam as circunstâncias…

Devemos anunciar em todos os lugares as boas novas de Cristo.