Archive for Deuteronômio

Palavra de amor

Os vivos, somente os vivos, te louvam, como hoje estou fazendo; os pais contam a tua fidelidade a seus filhos. (Is 38:19)

Uma outra versão diz que o pai aos filhos fará notória a tua verdade.

E é assim que a Palavra de Deus se propaga pelos quatro cantos do mundo, de geração em geração. Mesmo tendo atualmente à nossa disposição muitos meios de comunicação em massa, nenhum deles é tão eficiente para levar às boas novas do evangelho do que o calor de uma palavra amiga, dirigida especialmente a alguém a quem amamos. E se amamos nossos filhos e aqueles que estão à nossa volta, desejamos compartilhar com eles a inesgotável graça de Deus, não é?

Ame o Senhor, o seu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma e de todas as suas forças. Que todas estas palavras que hoje lhe ordeno estejam em seu coração.
Ensine-as com persistência a seus filhos. Converse sobre elas quando estiver sentado em casa, quando estiver andando pelo caminho, quando se deitar e quando se levantar(Dt 6:5-7)

Portanto, também nós, uma vez que estamos rodeados por tão grande nuvem de testemunhas, livremo-nos de tudo o que nos atrapalha e do pecado que nos envolve, e corramos com perseverança a corrida que nos é proposta, tendo os olhos fitos em Jesus, autor e consumador da nossa fé. Ele, pela alegria que lhe fora proposta, suportou a cruz, desprezando a vergonha, e assentou-se à direita do trono de Deus. (Hb 12:1-2)

Filhos de Deus

Proclamarei o nome do Senhor. Louvem a grandeza do nosso Deus!
Ele é a Rocha, as suas obras são perfeitas, e todos os seus caminhos são justos. É Deus fiel, que não comete erros; justo e reto ele é. (Dt 32:3-4)

Que possamos reconhecer a soberania de Deus para não nos transformarmos em insensatos e ignorantes como o povo de Israel, reconhecido como geração pervertida e transviada. O SENHOR é nosso pai, nosso criador, que nos fez e nos formou. Que nós sejamos reconhecidos como filhos amados do Pai Eterno. (Dt 32:5-6)

Cortando o mal pela raiz

Que não haja no meio de vocês nenhuma raiz que produza esse veneno amargo. (Dt 29:18b)

Moisés alertou que no dia em que os israelitas se afastassem de Deus, uma raiz brotaria e produziria amargura e frutos venenosos. Quando decidimos fazer o sabemos ser errado, plantamos uma semente que cresce descontroladamente, gerando mágoas e dores. Mas podemos impedir que tais sementes de pecados formem raízes, confessando a Deus nossos pecados e nos arrependendo de coração. Quando a semente não encontra solo fértil, seu fruto amargo nunca amadurecerá.

Que nenhuma raiz de amargura brote e cause perturbação, contaminando a muitos.” (Hb 12:15b)

Obedecer sempre

Resumindo Deuteronômio 28:

Se vocês obedecerem fielmente ao Senhor, ao seu Deus, e seguirem cuidadosamente todos os seus mandamentos… Serão abençoados.

Se vocês não obedecerem ao Senhor, ao seu Deus, e não seguirem cuidadosamente todos os seus mandamentos… Serão amaldiçoados.

Já falamos muito sobre obediência aqui no blog e ainda falaremos outras vezes. Isso porque obedecer é muito importante e também muito difícil. Obedecer plenamente implica submissão, sujeição. Significa estar sempre a serviço do SENHOR, viver exclusivamente para a Glória de Deus.

Pode parecer fácil, mas não é. Basta pensar em quantas vezes desobedecemos nossos pais, nossos professores… Pessoas com autoridade sobre nós são com facilidade desdenhadas, ignoradas. E aquilo que praticamos com nossos próximos é refletido também em nossa vida espiritual. Da mesma forma, com facilidade deixamos de obedecer ao Deus altíssimo e passamos a trilhar nosso próprio caminho, ficando susceptíveis às armadilhas do diabo, que nos prendem e nos impedem de retomarmos a direção correta.

Obedecer é imprescindível para estarmos aptos a enfrentar todas as aflições que teremos neste mundo. A obediência materializa nossa fé. Se cremos, obedecemos.

FIQUEM COM DEUS

Sem ferro, sem idolatria

Quando vocês atravessarem o Jordão, e entrarem na terra que o Senhor, o seu Deus, lhes dá, levantem algumas pedras grandes e pintem-nas com cal. 
Construam ali um altar ao Senhor, ao seu Deus, um altar de pedras. Não utilizem ferramenta de ferro nas pedras. (Dt 27:2-5)

Por que motivo Deus estaria preocupado com o uso de ferramentas de ferro na construção do altar? Essa pode parecer uma orientação boba, superficial, mas, na verdade, com ela o SENHOR estava protegendo o povo da idolatria.

Ao lapidar as pedras, o povo poderia facilmente atribuir forma a elas, e passar a adorá-las, como ídolos. Havia ainda um outro aspecto: já que os israelitas não tinham habilidade no trabalho com ferro, poderiam precisar da ajuda de outros povos, facilitando o acesso às culturas pagãs dos seus vizinhos.

Nenhuma orientação de Deus foi em vão. Em toda Palavra há um propósito, mesmo que não pareça. Deus estava protegendo os israelitas da sua própria fraqueza, mantendo-os afastados do pecado da idolatria.

Aqui também há uma lição para nós: é mais fácil permanecer nos caminhos do Senhor se nos mantivermos afastados do pecado. Quanto mais nos aproximamos de situações enganadoras, mais propensos estamos ao pecado. Devemos vigiar, cuidar para que hábitos da sociedade não nos empurrem para o tropeço. Datas comemorativas podem facilmente transformar-se em culto idólatra e é fácil perceber isso observando, por exemplo, a Páscoa e o Natal. Duas festas cristãs onde, infelizmente, reina a idolatria e Jesus, o motivo verdadeiro dessas comemorações, quase sempre, não é sequer lembrado. As atenções estão voltadas para os presentes, papais noéis, ovos de chocolate, coelhos… Sim, isso também é idolatria! E às vezes nem percebemos que estamos errando. Vigiar e manter distância do pecado – é o que Deus deseja de nós, é como podemos nos aproximar dEle.

O amor de Deus

Nenhum amonita ou moabita ou qualquer dos seus descendentes, até a décima geração, poderá entrar na assembléia do Senhor. Pois eles não vieram encontrar-se com vocês com pão e água no caminho, quando vocês saíram do Egito; além disso convocaram Balaão, filho de Beor, para vir de Petor, na Mesopotâmia, para pronunciar maldição contra vocês. No entanto, o Senhor, o seu Deus, não atendeu Balaão, e transformou a maldição em bênção para vocês, pois o Senhor, o seu Deus, os ama.  (Dt 23:3-5)

Clique aqui e saiba mais sobre Balaão.

Assim como amava o povo de Israel, Deus nos ama. E em nome desse amor tão grande, Jesus foi oferecido em sacrifício para que todos aqueles que acreditam nEle possam desfrutar da vida eterna (Jo 3:16). A maldição lançada contra Cristo foi transformada em benção sem fim, para todos nós.

Justo e honesto

Justiça e honestidade. Das muitas orientações dadas aos israelitas nos textos lidos hoje, essas são as duas características que mais me chamaram a atenção (Dt 22:1-4 / 25:13-16). E são duas características tão difíceis de manter… Por mais que nos esforcemos, sempre há momentos em que falhamos, tanto na justiça, quanto na honestidade. Justos e honestos… é assim que devemos desejar ser.

Deus está conosco

Quando vocês forem à guerra contra os seus inimigos e virem cavalos e carros, e um exército maior do que o seu, não tenham medo, pois o Senhor, o seu Deus, que os tirou do Egito, estará com vocês. (Dt 20:1-2)

Deus é o SENHOR dos exércitos. E se Deus é por nós, quem será contra nós? (Rm 8:31b). Por mais difícil que pareça a guerra pela qual passamos, não há o que temer – Deus está conosco!

Nenhum rei se salva pelo tamanho do seu exército; nenhum guerreiro escapa por sua grande força.
O cavalo é vã esperança de vitória; apesar da sua grande força, é incapaz de salvar.
Mas o Senhor protege aqueles que o temem, e os que firmam a esperança no seu amor, para livrá-los da morte e garantir-lhes vida, mesmo em tempos de fome.
Nossa esperança está no Senhor; ele é o nosso auxílio e a nossa proteção.
NEle se alegra o nosso coração, pois confiamos no seu santo nome.


“Esteja sobre nós o teu amor, Senhor, como está em ti a nossa esperança”.

(Salmos 33:16-22)

Jesus necessitado

Quando estavam para entrar na terra prometida, Deus ordenou aos israelitas que ajudassem os pobres que viessem a conviver com eles. Esta era uma importante ação a ser observada no momento da posse da terra. (Dt 15:7-11)

Muitas pessoas pensam que os pobres são menos favorecidos por causa de seus atos pecaminosos. Este tipo de raciocínio faz com que elas fechem seu coração e sua mão para os necessitados. Mas não devemos inventar desculpas para ignorar o pobre. Precisamos suprir as necessidades deles sem questionar quem ou o que foi responsável por essa condição.

Fonte: Bíblia de Estudo – Aplicação pessoal (Ed. CPAD)

Tenhamos no coração as palavras de Jesus, para praticá-las:

Então o Rei dirá aos que estiverem à sua direita: ‘Venham, benditos de meu Pai! Recebam como herança o Reino que lhes foi preparado desde a criação do mundo.
Pois eu tive fome, e vocês me deram de comer; tive sede, e vocês me deram de beber; fui estrangeiro, e vocês me acolheram; necessitei de roupas, e vocês me vestiram; estive enfermo, e vocês cuidaram de mim; estive preso, e vocês me visitaram’.
Então os justos lhe responderão: ‘Senhor, quando te vimos com fome e te demos de comer, ou com sede e te demos de beber? Quando te vimos como estrangeiro e te acolhemos, ou necessitado de roupas e te vestimos? Quando te vimos enfermo ou preso e fomos te visitar?’
O Rei responderá: ‘Digo-lhes a verdade: o que vocês fizeram a algum dos meus menores irmãos, a mim o fizeram’. 
(Mt 25:34-40)

Benção e maldição

Prestem atenção! Hoje estou pondo diante de vocês a bênção e a maldição.
Vocês terão bênção, se obedecerem aos mandamentos do Senhor, o seu Deus, que hoje lhes estou dando; mas terão maldição, se desobedecerem aos mandamentos do Senhor, o seu Deus, e se afastarem do caminho que hoje lhes ordeno, para seguir deuses desconhecidos. (Dt 11:26-28)

Estas palavras foram ditas ao israelitas enquanto estes se preparavam para tomar posse da terra prometida. Deus havia reservado muitas bençãos para eles, mas desfrutar destas bençãos dependia também de uma ação do povo: obedecer.

É isso que significa uma aliança. Um compromisso entre duas partes, onde cada um precisa cumprir sua palavra para que o compromisso não seja rompido. Deus fez a parte dEle. Lá estava a terra fértil, transbordante de leite e mel… Bastava que os israelitas permanecessem obedientes e poderiam dispôr de tudo isso para sempre.

E a maldição? Não participar da benção já é maldição por si só. Não há meio termo. Não dá pra ficar em cima do muro. Ou caminhamos na direção da benção ou da maldição.

Jesus é o caminho para a benção e nos diz:

Eu lhes asseguro: Quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna e não será condenado, mas já passou da morte para a vida. (Jo 5:24-25)

Tendo como benção a vida eterna, para que desejar maldição? Façamos, então, nossa parte na aliança, crendo em Cristo e obedecendo a Palavra de Deus.