Archive for Eclesiastes

Concluindo

Em Eclesiastes, Salomão nos leva a uma jornada reflexiva através de sua vida, explica como tudo o que tentou, testou ou provou tinha sido sem sentido, inútil, sem graça, tolo e vazio, um exercício baseado na futilidade. Lembre-se: foi a confissão de alguém que tinha “tudo” – grande inteligência, poder e riquezas. Depois dessa viagem biográfica, Salomão expressou sua triunfante conclusão:

Agora que já se ouviu tudo, aqui está a conclusão: Tema a Deus e guarde os seus mandamentos, pois isso é o essencial para o homem. Pois Deus trará a julgamento tudo o que foi feito, inclusive tudo o que está escondido, seja bom, seja mal.
(Ec 12:13-14)

Leia Eclesiastes e aprenda sobre a vida. Ouça as severas advertências e as terríveis predições e comprometa-se a lembrar de seu Criador agora (Ec 12:1).

Fonte: Bíblia de Estudo – Aplicação pessoal (Ed. CPAD)

Correndo atrás do vento

Quando os dias forem bons, aproveite-os bem; mas, quando forem ruins, considere: “Deus fez tanto um quanto o outro”.
Nesta vida sem sentido eu já vi de tudo: um justo que morreu apesar da sua justiça, e um ímpio que teve vida longa apesar da sua impiedade.
Não seja excessivamente justo nem demasiadamente sábio;
Não seja demasiadamente ímpio e não seja tolo.

É bom reter uma coisa e não abrir mão da outra,
pois quem teme a Deus evitará ambos os extremos.  

A sabedoria torna o sábio mais poderoso que uma cidade guardada por dez valentes.
Todavia, não há um só justo na terra, ninguém que pratique o bem e nunca peque. 
(Ec 7:14-20)

Nossa vida pode até parecer sem sentido aos nossos olhos; pessoas boas sofrem, enquanto os maus triunfam. Mas nossa vida é curta e em vez de ficarmos correndo atrás do vento, lamentando e procurando alcançar a felicidade com nossas próprias mãos, conquistando bens e riquezas, devemos atentar para o único caminho que leva à felicidade: Deus.

Ser justo, ainda que a justiça leve à morte, e seguir os caminhos do SENHOR trarão alegria e vida eterna.

E, quando Deus concede riquezas e bens a alguém, e o capacita a desfrutá-los, a aceitar a sua sorte e a ser feliz em seu trabalho, isso é um presente de Deus.
Raramente essa pessoa reflete no fato de que a sua vida é curta,
porque
Deus o mantém ocupado com a alegria do coração.
(Ec 5:19-20)

Vida vazia e sem sentido

Contudo, quando avaliei tudo o que as minhas mãos haviam feito e o trabalho que eu tanto me esforçara para realizar, percebi que tudo foi inútil, foi correr atrás do vento; não há qualquer proveito no que se faz debaixo do sol. 
(Ec 2:11)

No final de seus dias, Salomão lembrou de suas atitudes com humildade e arrependimento. Ele fez um balanço de sua vida a fim de poupar os seus leitores da amargura de aprender, pela própria experiência, que longe de Deus tudo é vazio, oco e sem sentido.        Fonte: Bíblia de Estudo – Aplicação pessoal (Ed. CPAD)

Nem mesmo toda a riqueza e sabedoria de Salomão foram capazes de preencher o vazio em sua vida. Todos nós temos este mesmo vazio. É o espaço reservado para Deus em nossos corações, que só pode ser preenchido por Ele, o Soberano SENHOR.

Longe de Deus tudo é vazio, oco e sem sentido.

Só a presença de Deus em nossas vidas é capaz de nos trazer plenitude e felicidade verdadeira. Enquanto procurarmos a satisfação em nossos próprios esforços, estaremos desperdiçando energia em uma busca sem fim.

164º dia: Ec 10-12

“O coração do sábio se inclina para o bem, mas o coração do tolo, para o mal” (Ec 10:2).

Ser sábio não é uma missão impossível. Não é preciso ser perfeito para ser sábio; se assim fosse até mesmo Salomão não poderia ser chamado sábio. Ser sábio é ter o coração inclinado para o bem, é buscar os melhores caminhos, é procurar viver para a glória de Deus a cada momento… e isso não significa que não haverão erros… o pecado está em nós, está neste mundo. Pecamos até mesmo sem notar. Mas, mesmo pecadores, poderemos ser chamados sábios, se inclinarmos nossos corações para o bem.

Para terminar, os versículos finais de Eclesiastes. Até amanhã!

“Teme a Deus, e guarda os seus mandamentos; porque isto é o dever de todo o homem. Pois Deus trará a juízo todas as obras, mesmo as que estão escondidas, quer boas, quer más.” (Ec 12:13b-14)

163º dia: Ec 7-9

Assim como Salomão, eu também já vi um justo que morreu apesar da sua justiça, e um ímpio que teve vida longa apesar da sua impiedade (Ec 7:15). Você também já deve ter presenciado situação parecida. Nossa primeira reação é logo pensar que não valeu a pena para o justo ter seguido um caminho de retidão e até tentamos nos enganar pensando que é melhor ser como o ímpio e viver mais… Mas veja só o que disse o homem mais sábio que já viveu nesse mundo: “Ainda que o pecador faça o mal cem vezes, e os dias se lhe prolonguem, contudo eu sei com certeza, que bem sucede aos que temem a Deus, aos que temem diante dele” (Ec 8:12).

Não seja excessivamente justo nem demasiadamente sábio;
Não seja demasiadamente ímpio e não seja tolo;
É bom reter uma coisa e não abrir mão da outra,
pois quem teme a Deus evitará ambos os extremos.
(Ec 7:16a, 17a, 18)

162º dia: Ec 4-6

Pois, quem sabe o que é bom para o homem, nos poucos dias de sua vida vazia, em que ele passa como uma sombra? Quem poderá lhe contar o que acontecerá debaixo do sol depois que ele partir? (Ec 6:12)

É uma boa descrição da nossa vida… Vazia e que passa como uma sombra! Então pra que desperdiçar a vida trabalhando sem cessar em busca de mais e mais riquezas? Pois, de que lhe valeria viver dois mil anos, e não poder desfrutar a sua prosperidade? O homem sai nu do ventre de sua mãe, e como vem, assim vai. De todo o trabalho em que se esforçou nada levará consigo. (Ec 6:3a / 5:15).

Quem ama o dinheiro jamais terá o suficiente; quem ama as riquezas jamais ficará satisfeito com os seus rendimentos. Melhor é a mão cheia com descanso do que ambas as mãos cheias com trabalho, e aflição de espírito. (Ec 5:10a / 4:6)

Não, Salomão não está nos aconselhando a abandonar o trabalho. De forma alguma! Devemos sim trabalhar com esforço e dedicação, amando a Deus de todo coração, e de toda alma, e de todo entendimento, e de todas as forças (Mc 12:30), e aí descobriremos, como Salomão, que o melhor e o que vale a pena é comer, beber e desfrutar o resultado de todo o esforço que se faz debaixo do sol durante os poucos dias de vida que Deus dá ao homem, pois essa é a sua recompensa. E, quando Deus concede riquezas e bens a alguém, e o capacita a desfrutá-los, a aceitar a sua sorte e a ser feliz em seu trabalho, isso é um presente de Deus. (Ec 5:18,19)

161º dia: Ec 1-3

Hoje estou sendo apresentada a Eclesiastes. Esse é um livro que nunca li inteiro. Talvez já tenha ouvido um ou outro versículo em alguma pregação e só. Acabei de ler os três primeiros capítulos e posso dizer que já gosto muito deste livro.

Salomão tinha tudo. Riquezas incontáveis. Sabedoria sem fim. Mas, o começo de Eclesiastes tem um tom de lamentação. Quem diria que Salomão reclamaria até mesmo de sua sabedoria… Porque na muita sabedoria há muito enfado; e o que aumenta em conhecimento, aumenta em dor. (Ec 1:18)

Salomão acumulou riquezas (Ec 2:3-8). Procurou a felicidade em coisas materiais e concluiu que nestas coisas o rir é loucura, e a alegria de nada vale (Ec 2:2). Salomão olhou para todas as obras que fizeram suas mãos, como também para o trabalho que ele, com suor, tinha feito, e eis que tudo era vaidade e aflição de espírito, e proveito nenhum havia debaixo do sol (Ec 2:11). Fico imaginando Salomão, já meio velhinho, observando suas riquezas, seus palácios… E aí, de repente ele se pergunta por que juntou tudo isso e se lembra de todo esforço que fez, de todos os dias de trabalho sem descanso… E aí se desespera, pois percebe que um homem pode realizar o seu trabalho com sabedoria, conhecimento e habilidade, mas terá que deixar tudo o que possui como herança para alguém que não se esforçou por aquilo (Ec 2:21). E fica ainda mais revoltado quando nota que esse herdeiro pode vir a ser um tolo, mas ainda assim tomará posse de tudo, sem esforço (Ec 2:19). Felizmente para nós, Salomão desejou compartilhar essa experiência, onde descobriu que não há nada melhor para o homem do que ser feliz e praticar o bem enquanto vive e que poder comer, beber e ser recompensado pelo seu trabalho, é um presente de Deus (Ec 3:12,13).

Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu.
O que é, já foi; e o que há de ser, também já foi.
Porque o que sucede aos filhos dos homens, isso mesmo também sucede aos animais, e lhes sucede a mesma coisa; como morre um, assim morre o outro.
Todos vão para um lugar; todos foram feitos do pó, e todos voltarão ao pó.
Assim que tenho visto que não há coisa melhor do que alegrar-se o homem nas suas obras, porque essa é a sua porção; pois quem o fará voltar para ver o que será depois dele?
(Ec 3:1, 15a, 19a, 20 e 22)