Archive for Esdras

Seguros e protegidos

Esdras reuniu muitos levitas para acompanhá-lo na jornada de volta à Jerusalém (Ed 8:20), entretanto, para protegê-los durante a viagem não bastava a presença dos sacerdotes. Por isso o grupo todo jejuou e orou a Deus, pedindo segurança ao único que poderia protegê-los.

Aqueles que buscam a Deus estão a salvo sob a sombra de suas asas, mesmo nas maiores dificuldades. Se estivermos em paz e comunhão com Deus, podemos deixar todas as nossas preocupações sobre nós mesmos, nossas famílias e nossas posses sob os cuidados dEle. O pedido de Esdras foi atendido. Os exilados retornaram em segurança para sua terra natal, ainda que sem a proteção de armas ou soldados e mesmo havendo muitos inimigos pelo caminho que desejavam detê-los. Nunca qualquer que buscou a Deus ardentemente descobriu que procurava em vão.

Em tempos de dificuldade e perigo, separar um momento para oração, individual ou coletiva, é a melhor decisão que podemos tomar. Entregue sua vida ao Senhor e suas necessidades serão supridas. Lembre-se: O sofrimento não nos faz perdedores.
Somos vencedores, pela graça do Senhor, e não há nada que possa mudar isso.

Adaptado de Christ Notes – Bible commentary

* * * * * * * *

Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada?
Como está escrito: Por amor de ti somos entregues à morte todo o dia; Somos reputados como ovelhas para o matadouro.
Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores,
por aquele que nos amou.

Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir,
Nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor. 
(Rm 8:35-39)

Sem força e violência

Não por força nem por violência, mas sim pelo meu Espírito, diz o SENHOR dos Exércitos. (Zc 4:6)

Parte dos exilados de Israel haviam retornado à Jerusalém e iniciado a reconstrução do Templo do Senhor. Entretanto, enfrentavam muitas dificuldades para concluir a tarefa. O rei Artaxerxes os havia proibido de continuarem a obra (Ed 4 21-24). Eles estavam cansados, oprimidos e desencorajados.

E então, em visão, Deus fala a Zacarias. As palavras não poderiam ser mais encorajadoras e apropriadas para a ocasião.

Os israelitas já não tinham mais forças, mas ainda que tivessem, não chegariam a lugar algum confiando apenas em seus próprios músculos. Somente através do Espírito de Deus teriam sucesso, não por seu próprio poder ou recursos.

O Espírito de Deus é dado também a nós sem medida. Não é o esforço humano que faz a diferença. A obra do Senhor não é realizada pela força humana.

282º dia: Ed 8-10

Muitos dos personagens da bíblia nos ensinam que a oração é um instrumento poderoso para nos aproximarmos de Deus. Assim também acontece com Esdras. Esse servo fiel de Deus tinha uma vida de constante oração e podemos ver isso no texto de hoje.

Primeiro, ele proclama um jejum ao grupo que o acompanhava na viagem de volta à Jerusalém, a fim de que se humilhassem diante de Deus e lhe pedissem uma viagem segura. Então jejuaram e suplicaram essa benção ao SENHOR, e Ele os atendeu. (Ed 8:21, 23)

Mais tarde, já em Jerusalém, Esdras faz uma oração que certamente pode ser adaptada para os dias de hoje (Ed 9:13-15). Que essa oração, de submissão a Deus, esteja em nossos corações neste dia:

“SENHOR, fomos castigados por causa de nossas más obras e por causa de nossa grande culpa, mas Tu, ó Deus, nos puniste menos do que os nossos pecados mereciam e ainda nos deste um remanescente, nos permitiste viver. Como, então, diante de tanto amor e de imensa bondade, podemos voltar a desobedecê-lo e permitir que práticas repugnantes tomem conta de nossas vidas? Se assim agirmos, como não ficarias irado conosco, não nos destruirias e não nos deixarias sem remanescente ou sobrevivente algum?
Ó Senhor, Deus de Israel, Tu és justo! E até hoje nos deixaste viver como um remanescente. Aqui estamos diante de ti com a nossa culpa, embora saibamos que por causa dela nenhum de nós pode permanecer na tua presença.”

281º dia: Ed 5-7

Então respondeu Jó ao SENHOR, dizendo:
“Bem sei eu que tudo podes, e que nenhum dos teus propósitos pode ser impedido.” (Jó 42:1-2)
 

Jó estava certo. Vejam só como o que parecia impossível aconteceu para que o Templo do SENHOR fosse reconstruído:

Mesmo com muitas pessoas influentes tentando impedir que os judeus concluíssem a obra (Ed 5:3), eles não foram impedidos de trabalhar, pois os olhos de Deus estavam sobre seus líderes (Ed 5:5). E mesmo os reis da Pérsia tiveram seus corações tocados pelo SENHOR e não apenas permitiram a construção do templo, mas também ajudaram financeiramente para que se fizesse a obra. E assim eles terminaram a reconstrução do templo conforme a ordem do Deus de Israel e os decretos de Ciro, de Dario e de Artaxerxes, reis da Pérsia. (Ed 6:14)

Prosseguir parece difícil? Confie em Deus e persevere, pois, se for da Sua vontade, Ele irá tirar as pedras do caminho, mesmo que para isso seja necessário amolecer o coração do mais poderoso rei da terra.

276º dia: Ed 1-4

O fim do exílio aconteceria tal qual proclamado pelos profetas. Depois de setenta anos a Babilônia seria castigada por suas iniquidades (Jr 25:12) e então a promessa em favor do povo de Israel, de serem levados de volta à sua própria terra, seria cumprida (Jr 29:10). A permissão para que seguissem viagem de volta à Jerusalém foi concedida pelo rei Ciro, ainda no primeiro ano do seu reinado (Is 44:28). E então os líderes das famílias de Judá e de Benjamim, como também os sacerdotes e os levitas, todos aqueles cujo coração Deus despertou, dispuseram-se a ir para Jerusalém e a construir o templo do Senhor (Ed 1:5). Depois da viagem, começaram a construir o altar do Deus de Israel para nele sacrificarem holocaustos, conforme o que está escrito na Lei de Moisés, homem de Deus (Ed 3:2). O altar representava a presença de Deus e este grupo de pessoas, que tinha acabado de enfrentar uma longa e cansativa viagem de volta para casa, desejava arduamente viver segundo os mandamentos de Deus. O altar foi construído antes mesmo de qualquer parede ou porta. Agora o povo estava consciente de que Deus era o principal em suas vidas. Ofereceram sacrifícios, celebraram a festa dos tabernáculos (Ed 3:3-4)… Estavam dispostos a seguir com obediência aquele que os havia livrado do cativeiro: o Deus único e verdadeiro.