Archive for Jó

Tempo de Deus

Os irmãos de José se prostravam diante dele (Gn 44:14). Os sonhos que ele teve mais de vinte anos antes se cumpriam (Gn 37:6-9). O que parecia improvável se tornou possível pelo agir de Deus. José devia acreditar que não veria sua família nunca mais e de repente, ali estavam seus irmãos – todos os detalhes meticulosamente planejados por Deus: José com poder no Egito gerenciando um suprimento de mantimentos em um período de fome severa em toda a terra.

Deus sabe o que faz e Ele irá agir. Talvez em um, dois, dez, vinte ou cem anos – mas vai agir. Ele sabe o que é melhor para você e para mim – mesmo que a gente não entenda.

SENHOR, bem sei que podes fazer todas as coisas; nenhum dos Teus planos pode ser frustrado (Jó 42:2). E sabe qual o plano de Deus para você? Jesus.

Há caminho que parece certo ao homem, mas no final conduz à morte (Pv 14:12). Sabe qual o único caminho verdadeiro? Jesus.

Jesus é o caminho, a verdade e a vida (Jo 14:6). Não importa se para nós os planos de Deus parecem distantes. Deus trouxe a Israel o Salvador Jesus, como havia prometido (At 13:23), não no tempo que os homens julgaram conveniente, mas quando foi estabelecido pela Sua soberania. Aquele que prometeu é fiel (Hb 10:23b). Deus é sempre fiel e nos ama imensamente…

Porque Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna. (Jo 3:16)

Descanse somente em Deus, ó minha alma; dEle vem a minha esperança.
SENHOR, em Ti espero; Tu me responderás, ó Senhor meu Deus!
Guia-me com a tua verdade e ensina-me, pois Tu és Deus, meu Salvador, e a minha esperança está em Ti o tempo todo.
(Sl 62:5 / 38:15 / 25:5)

Não se apresse. Espere em Deus e tudo terminará bem.

Amigo verdadeiro

Jó tinha alguns amigos. Pareciam ser bons amigos, pessoas próximas, de confiança que desejavam compartilhar o momento de dor pelo qual Jó passava e consolar o amigo desolado (Jó 2:11).

Acredito que o sentimento desses amigos era sincero, mas a ignorância fez com que oferecessem à Jó apenas angústia e indignação. E o perdão para eles viria justamente de uma oração de Jó, o servo de Deus, em seu favor (Jó 42:8-9).

Por melhor intencionados que estejam nossos amigos, eles podem falhar em nos ajudar. Podem nos trazer ainda mais dor e sofrimento, em vez de conforto e consolo. Da mesma forma, nós, enquanto amigos, estamos sujeitos a cometer estes mesmos erros.

Apesar disso, precisamos nos esforçar para sermos bons amigos, lembrando que o amigo ama em todos os momentos e é um irmão na adversidade. (Pv 17:17)

E também devemos perdoar as falhas de nossos amigos: Suportem-se uns aos outros e perdoem as queixas que tiverem uns contra os outros. Perdoem como o Senhor lhes perdoou (Cl 3:13).

Não será uma tarefa fácil. Mas sempre podemos contar com a ajuda do amigo verdadeiro, Jesus Cristo, a quem podemos declarar todas as nossas aflições e receber em troca amor. Jesus é amigo fiel e sincero. Se for preciso exortar, Ele o fará. Se for necessário nos corrigir, assim será. Mas sempre o amor estará presente no agir de Deus em nossas vidas!

Ignorantes mas inteligentes

Um completo ignorante. Assim deve ter se sentido Jó ao ser questionado por Deus acerca da criação. Que domínio tinha ele sobre as coisas existentes na terra? Nenhum, é claro.

Mas, diferente da avestruz, que não recebeu de Deus sabedoria nem parcela alguma de bom senso (Jó 39:17), Jó entendeu o seu lugar e percebeu que não haveria qualquer possibilidade de ‘discutir’ com Deus, tal como ele havia desejado arduamente. Seria em vão, pois sua maior sensatez soaria como estupidez diante do Criador.

Que nossa inteligência e bom senso não sejam usadas para contender com o SENHOR, mas sim para sermos capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus (Rm 12:2b).

Deus é maravilhoso

Pare e reflita nas maravilhas de Deus.

Deus é exaltado em seu poder. Quem é mestre como ele?
Como Deus é grande! Ultrapassa o nosso entendimento! Não há como calcular os anos da sua existência.

Fora de nosso alcance está o Todo-poderoso, exaltado em poder;

mas, em sua justiça e retidão, não oprime ninguém.

(Jó 37:14 / 36:22,26 / 37:23)

O resgate foi pago

O Espírito de Deus me fez; o sopro do Todo-poderoso me dá vida. 
Sou igual a você diante de Deus; eu também fui feito do barro. (Jó 33:4,6)

Pequei e torci o que era certo, mas Deus não me deu o que eu merecia. Ele resgatou a minha alma, impedindo-a de descer à cova, e viverei para desfrutar a luz. (Jó 33:27-28)

Porque Jesus não veio a este mundo para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em nosso resgate(Mc 10:45)

Fomos comprados por alto preço. Cada gota de sangue derramado aos pés da cruz foi para nos redimir de todo pecado e nos libertar da escravidão do pecado. Portanto, devemos glorificar a Deus em tudo, com nossa vida, nosso corpo e nossa alma. (1 Co 6:20)

A balança da justiça

Deus me pese em balança justa… (Jó 31:6a)

O que esperar de uma balança justa, que não a justiça?

Para vidas abarrotadas de pecados será necessário um grande contrapeso para equilibrar a balança. Talvez toneladas de advertências, ensinamentos, admoestações, correções, etc, que ainda assim podem não ser suficientes para o total equilíbrio.

Já para vidas com o mínimo de pecados – já que não há vida isenta deste mal – um contrapeso mais balanceado seria suficiente.

Aprendemos desde cedo na escola que para toda ação há uma reação. A justiça não é muito diferente disso – nem mesmo a justiça de Deus. Apenas precisamos compreender que os nossos olhos não podem ver até onde Deus enxerga. Seremos pesados em balança justa e o equilíbrio certamente virá, mesmo que não necessariamente nesta vida.

À procura da sabedoria

Entre os homens há uma disputa por sabedoria e isso desde a infância. Já reparou como uma criança se mostra superior às outras quando descobre algo que as outras ainda não aprenderam? Pois é, uma busca constante para ser o ‘mais esperto’. Acontece que nem sempre o mais esperto é o mais sábio. De que adianta a esperteza se você não souber o que fazer com ela? Há por aí muitos espertos com dificuldade de terminar o colégio, enquanto os ‘menos espertos’ se graduam e preenchem as vagas disponíveis no mercado de trabalho – e isso só para exemplificar.

Devemos ensinar nossos filhos a buscarem sabedoria e não esperteza.

De onde vem, então, a sabedoria? Onde habita o entendimento?

Deus conhece o caminho; só ele sabe onde ela habita, pois ele enxerga os confins da terra e vê tudo o que há debaixo dos céus.
Quando Ele determinou a força do vento e estabeleceu a medida exata para as águas, quando fez um decreto para a chuva e o caminho para a tempestade trovejante, Ele olhou para a sabedoria e a avaliou; confirmou-a e a pôs à prova.
Disse então ao homem:

No temor do Senhor está a sabedoria, e evitar o mal é ter entendimento’. 
(Jó 28:20, 23-28)

Buscando a verdadeira sabedoria, haverá reflexos positivos em todos os aspectos de nossas vidas.

Puro como ouro

Em meio à discussão com seus amigos, Jó fez uma declaração confiante:

Deus conhece o caminho por onde ando; se me puser à prova, aparecerei como o ouro. Meus pés seguiram de perto as Suas pegadas; mantive-me no Seu caminho, sem desviar-me. Não me afastei dos mandamentos dos Seus lábios; dei mais valor às palavras de Sua boca, do que ao meu pão de cada dia. (Jó 23:10-12)

Neste momento os amigos de Jó devem ter ficado ainda mais indignados, já que para eles, a causa do sofrimento de Jó era o pecado em sua vida. Jó foi corajoso em dizer estas palavras, mas essa coragem veio da certeza de que era essa a verdade.

E nós, podemos fazer nossas as palavras de Jó?

Talvez não totalmente, mas podemos fazer dessas ações metas para nossas vidas, na busca pela perfeição e pela santidade, mesmo cientes das limitações impostas pela nossa natureza pecadora.

Praticando a misericórdia

A vida de Jó estava devastada. De repente, ele não tinha mais nada – seus filhos, seus bens, sua saúde… Tudo lhe foi tirado como se pela força de um furacão, rápido e estrondoso.

Nesta situação agonizante, Jó acreditou que ainda lhe restassem os amigos, mas se enganou. Dos amigos Jó esperava misericórdia, mas encontrou apenas tormento, repreensão, humilhação… (Jó 19:3-5, 21)

Como é difícil sentirmos misericórdia, não é? Parece mais fácil apenas julgar, apontar o dedo na cara e dizer ‘Viu, eu disse!’ ou ‘A culpa disso é toda sua!’. Com frequência agimos exatamente igual aos amigos de Jó e quase sempre achando que estamos fazendo o certo, assim como eles.

Felizmente, Deus tem um coração verdadeiramente misericordioso e se compadece de nossa situação pecaminosa, nos concedendo perdão, porque o SENHOR é bom, e eterna é a sua misericórdia. (Sl 100:5a)

Ainda assim é preciso exercitar a misericórdia, que no fundo reflete o amor que sentimos pelo próximo, ou seja, praticando a misericórdia estaremos cumprindo o maior de todos os mandamentos – o amor.

Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia. (Mt 5:7)

Advogado fiel

Ah! se alguém pudesse contender com Deus pelo homem, como o homem pelo seu próximo! (Jó 16:21)

Ah, como Jó poderia imaginar que quase dois mil anos depois o mundo conheceria em forma humana o seu advogado junto a Deus – e o rejeitaria. Não, ele não poderia imaginar, mas sua fé era tão grande que ele conseguia entender a forma de agir de Deus.

Temos o privilégio de conhecer Jesus. No seu imenso amor e misericórdia Ele é aquele que nos defenderá com justiça diante de Deus – é aquele a quem Jó esperava.

Se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo. (1 Jo 2:1b)