Archive for Romanos

Apoio e suporte

Quando o apóstolo Paulo deu instruções sobre como exercer os nossos dons como membros do corpo de Cristo (Rm 12:3-8), afirmou o valor da função de apoio e suporte ao próximo. Ele começou dizendo que devemos ter uma opinião realista a respeito de nós mesmos (Rm 12:3) e concluiu com um chamado ao amor genuíno e altruísta: “Dediquem-se uns aos outros com amor fraternal. Prefiram dar honra aos outros mais do que a si próprios (Rm 12:10).

Nossos dons e habilidades vêm até nós pela graça de Deus e devem ser utilizados pela fé (Rm 12:3- 6) pelo amor e serviço de Cristo, não para reconhecimento pessoal.

Que Deus nos conceda a capacidade de abraçar com entusiasmo a função de suporte para a qual Ele nos chama. O objetivo final é a glória do Senhor e não a nossa.

A igreja funciona melhor quando nos vemos como participantes,
não como espectadores.

Fonte: Our Daily Bread

Crer e confessar

Nada vai nos separar

Quem nos separará do amor de Cristo?

Será tribulação, ou angústia, ou perseguição, ou fome, ou nudez, ou perigo, ou espada?

Como está escrito:
“Por amor de ti enfrentamos a morte todos os dias; somos considerados como ovelhas destinadas ao matadouro”.

Mas, em todas estas coisas somos mais que vencedores,
por meio daquele que nos amou. 

Pois estou convencido de que nem morte nem vida, nem anjos nem demônios, nem o presente nem o futuro, nem quaisquer poderes, nem altura nem profundidade, nem qualquer outra coisa na criação será capaz de nos separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus, nosso Senhor.

(Rm 8:35-39)

Ele amou primeiro

Mas Deus prova o seu amor para conosco,
em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores
. (Rm 5:8)

A frase “sendo nós ainda pecadores” é impressionante. Deus enviou Jesus Cristo para morrer por nós, não porque fossemos suficientemente bons, mas porque nos amava. Quando você se sentir inseguro a respeito do amor de Deus, lembre-se de que Ele o amou antes mesmo que você o procurasse.

Fonte: Bíblia de Estudo – Aplicação pessoal (Ed. CPAD)

Vergonha de ser sal e luz

Ter vergonha de ser cristão não é uma coisa incomum hoje em dia. A sociedade, aos poucos, nos faz tentar ser “normal”. Não queremos chamar a atenção – preferimos passar desapercebidos.

Essa vontade de se misturar com as pessoas “normais” sem ser identificado pode até parecer uma bobagem, uma simples omissão do tipo “se ninguém me pergunta, não preciso dizer que sou cristão” – ledo engano… Ao fazer isso estamos demonstrando vergonha do evangelho de Cristo.

É preciso lembrar as palavras de Jesus para nós e colocá-las em práticaVocês são o sal da terra. Vocês são a luz do mundo (Mt 5:13a-14a). Quando nos escondemos atrás dos costumes e tradições deste mundo, somos como o sal insípido ou como a candeia debaixo de uma vasilha – de nada servimos.

Vivemos para glorificar a Deus. Este é o propósito de nossas vidas. Para isso fomos criados. E não há como glorificar a Deus escondidos atrás de personagens criados para  serem semelhantes a qualquer outra pessoa. Devemos servir de guias para levar os homens até Jesus, e isso só será possível se abandonarmos as máscaras e vestirmos as vestes da santidade, fazendo a diferença no mundo.

E se ainda resta algum motivo que o faça se envergonhar de ser cristão, leia o que Paulo sentia a respeito em Rm 1:16, reflita e decida amar os outros, mostrando a eles a salvação de Jesus refletida em sua vida.

Não me envergonho do evangelho,
porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê
.
(Rm 1:16a)

Seguros e protegidos

Esdras reuniu muitos levitas para acompanhá-lo na jornada de volta à Jerusalém (Ed 8:20), entretanto, para protegê-los durante a viagem não bastava a presença dos sacerdotes. Por isso o grupo todo jejuou e orou a Deus, pedindo segurança ao único que poderia protegê-los.

Aqueles que buscam a Deus estão a salvo sob a sombra de suas asas, mesmo nas maiores dificuldades. Se estivermos em paz e comunhão com Deus, podemos deixar todas as nossas preocupações sobre nós mesmos, nossas famílias e nossas posses sob os cuidados dEle. O pedido de Esdras foi atendido. Os exilados retornaram em segurança para sua terra natal, ainda que sem a proteção de armas ou soldados e mesmo havendo muitos inimigos pelo caminho que desejavam detê-los. Nunca qualquer que buscou a Deus ardentemente descobriu que procurava em vão.

Em tempos de dificuldade e perigo, separar um momento para oração, individual ou coletiva, é a melhor decisão que podemos tomar. Entregue sua vida ao Senhor e suas necessidades serão supridas. Lembre-se: O sofrimento não nos faz perdedores.
Somos vencedores, pela graça do Senhor, e não há nada que possa mudar isso.

Adaptado de Christ Notes – Bible commentary

* * * * * * * *

Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada?
Como está escrito: Por amor de ti somos entregues à morte todo o dia; Somos reputados como ovelhas para o matadouro.
Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores,
por aquele que nos amou.

Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir,
Nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor. 
(Rm 8:35-39)

Calar ou falar

A história de Ester nos ensina dois importantes princípios:

1) Devemos aprender a calar

Ester ouviu o seu mentor – seu tio Mardoqueu – e manteve segredo sobre sua nacionalidade e descendência (Et 2:10). Este segredo preservou sua vida e permitiu a ela ter acesso ao rei.

Aprender a calar e ouvir pode nos dar acesso ao mundo de outra pessoa e certamente nos ajuda a entender os outros melhor. Apenas entendendo melhor as pessoas ao nosso redor poderemos verdadeiramente surtir alguma influência em suas vidas e, talvez, ajudar a mudar o curso de suas histórias.

2) Devemos aprender quando falar

Ester escolheu cuidadosamente o momento de falar e só então expôs a dura verdade:
O inimigo era o conselheiro de confiança do rei (Et 7:6a)

Manter nossa fé em segredo é um hábito quase sempre motivado pelo medo e pela vergonha. Mas Jesus emite um aviso severo para aqueles que não estão dispostos a falar em seu nome:

Porquanto, qualquer que se envergonhar de mim e das minhas palavras, também o Filho do homem se envergonhará dele, quando vier na glória de seu Pai, com os santos anjos. (Mc 8:38)

O Apostolo Paulo explica por que não devemos ter vergonha de falar de Jesus:

Porque não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê. (Rm 1:16)

No entanto, o falar pode significar sofrimento e Paulo entendia bem desse assunto…

Portanto, não te envergonhes do testemunho de nosso Senhor, nem de mim, que sou prisioneiro seu; antes participa das aflições do evangelho segundo o poder de Deus. (2 Tm 1:8)

O silêncio estratégico é sábio, e nos dá a oportunidade de ouvir o outro lado. Mas quando há uma oportunidade temos de estar preparados para falar e responder apropriadamente.

Estai sempre preparados para responder com mansidão e temor a qualquer que vos pedir a razão da esperança que há em vós. (1 Pedro 3:15)

Adaptado de: Central do Sermão – A mulher que disse sim para Deus.

Nem uma lembrança

Aquele que pecar é que morrerá. O filho não levará a culpa do pai, nem o pai levará a culpa do filho. A justiça do justo lhe será creditada, e a impiedade do ímpio lhe será cobrada.

Mas, se um ímpio se desviar de todos os pecados que cometeu e obedecer a todos os meus decretos e fizer o que é justo e direito, com certeza viverá; não morrerá.
Não se terá lembrança de nenhuma das ofensas que cometeu. Devido às coisas justas que tiver feito, ele viverá.
(Ez 18:20-22)

Que difícil depender de nossa própria justiça, não acha?

No antigo testamento ser justo significava adorar a Deus e somente a Ele, não matar, não adulterar, não roubar, guardar o sábado, oferecer sacrifícios, enfim, cumprir a lei.

Mas Jesus ofereceu por nós um sacrifício único e perfeito e fez conosco uma nova aliança. Por que cremos nEle, nossa conduta é transformada, ou seja, matar, roubar, adulterar, etc, deixam de fazer parte de nossas vidas.
E nossas ofensas também serão esquecidas, pois, pelo sangue de Jesus derramado na cruz, fomos santificados (Hb 13:12) e nossos pecados foram lavados (Ap 1:5). Fomos purificados de todo pecado (1 Jo 1:7).

Em Jesus viveremos!

Deus “retribuirá a cada um conforme o seu procedimento”.
Ele dará vida eterna aos que, persistindo em fazer o bem,
buscam glória, honra e imortalidade.
Mas haverá ira e indignação para os que são egoístas,
que rejeitam a verdade e seguem a injustiça.
Pois o salário do pecado é a morte,
mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor.

(Rm 2:6-8 / 6:23)

Juiz, legislador e rei

Pois o Senhor é o nosso juiz,
o Senhor é o nosso legislador,
o Senhor é o nosso rei;
é Ele que nos salvará.
(Is 33:22)

Juiz, legislador e rei… Na nossa sociedade estas funções são exercidas por pessoas distintas, quase sempre com o objetivo de ter certo controle sobre a tirania, protegendo, assim, o povo de líderes opressores.

Mas Deus não está sujeito às consequência do poder; em qualquer circunstância, Ele sempre julga com justiça, e ainda adiciona um tanto de amor e misericórdia.

O Senhor é rei, soberano, o único digno de realeza.

O Senhor é legislador, que estabelece as leis, que distingue o certo e o errado, o verdadeiro e o falso, o bom e o mau.

O Senhor é Juiz, que condena e que absolve, que é fiel e justo para perdoar os pecados daqueles que os confessarem arrependidos de coração (1 Jo 1:9).

O Senhor é Deus, pois dele, por ele e para ele são todas as coisas.
A ele seja a glória para sempre! Amém.
(Rm 11:36)

Trapos imundos

Somos como o impuro — todos nós! Todos os nossos atos de justiça são como trapo imundo. Murchamos como folhas, e como o vento as nossas iniqüidades nos levam para longe. (Isaías 64:6)

O pecado nos torna impuros e nos impede de nos aproximarmos de Deus, como se fôssemos pedintes em trapos imundos, desejando participar da mesa de um rei. Nossos melhores esforços ainda estão contaminados pelo pecado. Portanto, a nossa única esperança é a fé em Jesus Cristo – o único que pode nos purificar e levar à presença de Deus.

Fonte: Bíblia de Estudo – Aplicação pessoal (Ed. CPAD)

Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus;
Sendo justificados gratuitamente pela sua graça,
pela redenção que há em Cristo Jesus.
(Rm 3:23-24)