Tag Archive for glória

Culto eterno

Todos os domingos, dois irmãos sentavam-se na primeira fileira de cadeiras da igreja, e observavam seu pai na liderança do culto de adoração. Uma noite, após colocar os meninos na cama, o pai ouviu um dos meninos chorando. Perguntou-lhe o que estava acontecendo, mas o menino hesitava em responder. Finalmente, o garoto confessou: “Papai, a Bíblia diz que vamos adorar a Deus no céu para sempre. Isso é tempo demais!” Por imaginar o céu como um longo culto de adoração em que seu pai estaria liderando, o céu lhe parecia muito entediante!

Embora, algumas vezes, eu gostaria que tivéssemos mais informações sobre o céu, todos nós temos uma certeza: tédio não poderia ser a palavra certa para descrevê-lo. Veremos belezas jamais vistas, incluindo o rio da água da vida, brilhante como cristal (Ap 22:1). Experimentaremos a glória de Deus que iluminará o céu (Ap 21:23 / 22:5), e desfrutaremos de uma vida sem dor ou tristeza (Ap 21:4).

Sim, com certeza adoraremos no céu. Pessoas de toda tribo, língua, povo e nação (Ap 5:9) regozijarão em louvor a Jesus, o Cordeiro digno que morreu e ressuscitou por nós (Ap 5:12).

Iremos juntos gozar na glória da presença do Senhor — para sempre! E nem por um segundo ficaremos entediados!

Fonte: Nosso andar diário

Tudo para a glória de Deus

1Pe4_11

Ressurreição e vida

Disse-lhe Jesus: “Eu Sou a ressurreição e a vida. Quem crê em Mim, ainda que morra, viverá.” (Jo 11:25)

Lázaro era amigo de Jesus, mas não tinha imunidade especial. Jesus frequentava a sua casa, e mesmo assim ele ficou doente. Suas irmãs mandaram um recado para Jesus: Está enfermo aquele a quem amas… Mas ao receber a mensagem, Jesus permaneceu mais dois dias onde estava. Quando chegou, Lázaro já estava morto e sepultado havia quatro dias. Marta, irmã de Lázaro, num tom de censura, diz a Jesus: Se Tu estiveras aqui, meu irmão não teria morrido. Jesus, porém, não chegou atrasado, pois o tempo de Deus não é o nosso.

A ressurreição é um milagre maior do que a cura de um enfermo e a ressurreição de uma pessoa sepultada há quatro dias é uma demonstração indiscutível do poder daquEle que É a ressurreição e a vida. Jesus chorou no túmulo de Lázaro e deu uma ordem expressa: Tirai a pedra. Marta ainda intervém: Senhor, já cheira mal, mas Jesus lhe corrige: Se creres, verás a glória de Deus. Imediatamente, Jesus levanta Sua voz para dentro do túmulo, e grita: Lázaro, vem para fora. Lázaro levantou vivo, a glória de Deus se manifestou, e muitos creram no Filho de Deus.

Fonte: Blog Soli Deo Gloria

Clique aqui e leia a história completa da ressurreição de Lázaro.

* * * * * * *

E que tal ouvir uma música inspirada nessa linda história de poder e glória?

Misericórdia ou sacrifício

Ide, porém, e aprendei o que significa: Misericórdia quero, e não sacrifício. Porque eu não vim a chamar os justos, mas os pecadores, ao arrependimento. (Mt 9:13)

As palavras acima, ditas por Jesus, são uma citação do Antigo Testamento (veja Os 6:6 e I Sm 15:22) e nos ensinam muitas coisas:

1. Deus prefere um ato de misericórdia demonstrada ao necessitado a qualquer ato de culto religioso. Ambas ações são boas, mas a primeira é bem maior – a misericórdia – e precede qualquer outra.

2. Todo o sistema sacrifical era destinado apenas para apontar para a infinita misericórdia de Deus para com o homem pecador; tratava-se da sombra do viria a ser a verdadeira redenção pelo sangue da nova aliança.

3. Não devemos descansar nos sacrifícios, mas olhar para a misericórdia e salvação prefigurada por eles. Qualquer tipo de sacrifício deve ser feito com coração contrito, em espírito e em verdade, exclusivamente para a honra e glória de Deus.

Somos salvos pela fé e nossas obras, incluídos os sacrifícios, devem ser apenas reflexo de nossa crença.

Mostra-me a tua fé sem as tuas obras,
e eu te mostrarei a minha fé pelas minhas obras.
(Tg 2:18b)

Sol e escudo

SENHOR Deus dos Exércitos, escuta a minha oração;
inclina os ouvidos, ó Deus de Jacó!
Faze bem, ó SENHOR, aos bons e aos que são retos de coração.

Porque o SENHOR Deus é um sol e escudo;
o SENHOR dará graça e glória; não retirará bem algum aos que andam na retidão.

Louvai ao SENHOR, porque ele é bom, porque a sua benignidade dura para sempre.
Vinde, e vede as obras de Deus:
é tremendo nos seus feitos para com os filhos dos homens.
Pois fartou a alma sedenta, e encheu de bens a alma faminta.
Converte o deserto em lagoa, e a terra seca em fontes.

Bendizei, povos, ao nosso Deus, e fazei ouvir a voz do seu louvor,
Ao que sustenta com vida a nossa alma,
e não consente que sejam abalados os nossos pés.

Pois tu, ó Deus, nos provaste; tu nos afinaste como se afina a prata.

SENHOR dos Exércitos, bem-aventurado o homem que em ti põe a sua confiança.

(Sl 84:8 / 125:4 / 84:12 / 107:1 / 66:5 / 107:9, 35 / 66:8-10 / 84:12)

Verdadeira glória

“Não se glorie o sábio em sua sabedoria
nem o forte em sua força
nem o rico em sua riqueza
Mas quem se gloriar, glorie-se nisto:
em compreender-me e conhecer-me,
pois eu sou o Senhor e ajo com lealdade,
 com justiça e com retidão sobre a terra,
pois é dessas coisas que me agrado”, declara o Senhor.

(Jr 9:23-24)

Não semeeis entre espinhos

Porque assim diz o SENHOR:
“Preparai para vós o campo de lavoura, e não semeeis entre espinhos.”
(Jr 4:3)

Essa mensagem pode parecer estranha para nós, mas certamente era bastante clara aos israelitas, que tinham a agricultura como parte de suas vidas. De qualquer forma, não é difícil compreender, basta um pouco de atenção.

Deus faz duas recomendações que nós, assim como o povo daquela época, devemos observar:

1. Preparai para vós o campo de lavoura

Aqui, está explícito o que devemos fazer. Acontece que preparar o campo para a lavoura exige força, tempo e planejamento. A terra tem que estar pronta na época certa para o plantio. Fazendo tudo corretamente, tempos depois serão colhidos bons frutos.

Deus nos oferece muitas bençãos, mas precisamos estar preparados para colhê-las e, enfim, usufruir delas. Para isso precisamos entender que o propósito de nossa vida é glorificar a Deus, com honra e obediência. Colocando essas atitudes em prática, estaremos preparados para a Sua graça.

Sim, será tão difícil quanto arar a terra na lavoura, mas a recompensa é tão doce quanto o sabor de bons frutos.

2. Não semeeis entre espinhos

Enfim, o que não fazer. Ah, simplesmente semear entre os espinhos é, com certeza, a solução mais rápida. Basta atirar as sementes e pronto. Sem muito esforço e bastante rápido. Seria a solução perfeita, não fosse a ausência de resultados: Não haverá frutos, ou talvez, um ou outro sobreviva, mas não terá bom sabor. Isso porque os espinhos sufocarão as sementes, que não conseguirão se desenvolver de forma apropriada.

Deus nos aleta a não sermos insensatos. Os espinhos podem se comparar ao pecado. Se semearmos o pecado em nossas vidas, seremos envolvidos por ele até sufocar. E pode ser que não tenhamos mais forças para nos livrar dos espinhos.

O pecado pode parecer o caminho mais curto e rápido. De fato, é o caminho mais curto e rápido para a dor e o sofrimento.

 

LEMBRE-SE SEMPRE DESTE BOM CONSELHO:
“Preparai para vós o campo de lavoura, e não semeeis entre espinhos.”

Salvação que dura para sempre

“Ergam os olhos para os céus, olhem para baixo, para a terra;
os céus desaparecerão como fumaça,
a terra se gastará como uma roupa,
e seus habitantes morrerão como moscas.
Mas a minha salvação durará para sempre, a minha retidão jamais falhará.”
(Isaías 51:6)

As promessas de Deus para nós são maravilhosas.
Que bom é confiar no Senhor e esperar somente nEle, que nos ama tanto que permitiu que Seu filho, Jesus Cristo, fosse ferido por causa das nossas transgressões.

Que bom poder cantar alegremente:

Que segurança sou de Jesus! Eu já desfruto o gozo da Luz!
Sou por Jesus herdeiro de Deus. Ele me leva à glória dos céus.

Nosso trabalho é proclamar

Então gritei: Ai de mim! Estou perdido! Pois sou um homem de lábios impuros e vivo no meio de um povo de lábios impuros; e os meus olhos viram o Rei, o Senhor dos Exércitos! (Is 6:5)

Diante da glória de Deus, Isaías reconheceu sua natureza pecadora, mas mesmo consciente de sua pequenez, mostrou-se disponível para servir ao Senhor. Sem hesitar, respondeu ao chamado: Eis-me aqui. Envia-me a mim! (Is 6:8b)

Isaías recebeu a missão, e junto com ela o aviso de que não seria fácil. As pessoas o ouviriam, mas não compreenderiam. Seu coração estaria endurecido e seus olhos, cegos para a verdade. (Is 6:9-13)

Sim, Israel não se arrependeria. Ao contrário, seria destruído pela sua incredulidade.

Mas então, porque Isaías foi enviado?

Bom, ele foi enviado porque a nação de Israel não se salvaria, mas, certamente, alguns poucos seriam alcançados por sua palavra. Essa remanescente era o público alvo de Isaías. Mas, como saber onde encontrá-los?  Não havia como. Por isso, Isaías deveria alcançar o máximo possível de ouvintes.

Muitas vezes tentamos selecionar as pessoas para quem desejamos falar da graça de Cristo. Olhamos para um colega ou parente e pensamos “Não, acho que ele não vai aceitar a Jesus” e deixamos de compartilhar as boas novas com esta pessoa… Estamos errados! Nosso trabalho é proclamar o evangelho aos quatro cantos do mundo, e o Espírito Santo agirá para que corações sejam quebrantados. Não podemos fazer o trabalho de Deus, mas podemos nos empenhar para fazer a nossa parte e orar para que Deus use nossas vidas para alcançar muitas almas.

Santo, santo, santo é o Senhor dos Exércitos,
a terra inteira está cheia da sua glória
. (Is 6:3)

Não a nós

Não a nós, Senhor, nenhuma glória para nós, mas sim ao Teu nome, por Teu amor e por Tua fidelidade!  (Sl 115:1)