Tag Archive for propósito

Vergonha de ser sal e luz

Ter vergonha de ser cristão não é uma coisa incomum hoje em dia. A sociedade, aos poucos, nos faz tentar ser “normal”. Não queremos chamar a atenção – preferimos passar desapercebidos.

Essa vontade de se misturar com as pessoas “normais” sem ser identificado pode até parecer uma bobagem, uma simples omissão do tipo “se ninguém me pergunta, não preciso dizer que sou cristão” – ledo engano… Ao fazer isso estamos demonstrando vergonha do evangelho de Cristo.

É preciso lembrar as palavras de Jesus para nós e colocá-las em práticaVocês são o sal da terra. Vocês são a luz do mundo (Mt 5:13a-14a). Quando nos escondemos atrás dos costumes e tradições deste mundo, somos como o sal insípido ou como a candeia debaixo de uma vasilha – de nada servimos.

Vivemos para glorificar a Deus. Este é o propósito de nossas vidas. Para isso fomos criados. E não há como glorificar a Deus escondidos atrás de personagens criados para  serem semelhantes a qualquer outra pessoa. Devemos servir de guias para levar os homens até Jesus, e isso só será possível se abandonarmos as máscaras e vestirmos as vestes da santidade, fazendo a diferença no mundo.

E se ainda resta algum motivo que o faça se envergonhar de ser cristão, leia o que Paulo sentia a respeito em Rm 1:16, reflita e decida amar os outros, mostrando a eles a salvação de Jesus refletida em sua vida.

Não me envergonho do evangelho,
porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê
.
(Rm 1:16a)

Quero ser o último

Assentando-se, Jesus chamou os Doze e disse:
“Se alguém quiser ser o primeiro, será o último, e servo de todos”. 
(Mc 9:35)

Muito provavelmente foi dessa afirmativa de Jesus que surgiu o ditado popular: “Os últimos serão os primeiros”. Mas, afinal, quem quer ser o último?

Desde muito cedo surge entre nós um sentimento de competitividade – todos querendo ser o primeiro em alguma coisa. As crianças já disputam entre si: “Você pode ser melhor nisso, mas eu sou muito melhor naquilo!”

Certamente o conselho de Jesus deve frustar a muitos, afinal, como abrir mão de ser o primeiro? Mas as palavras de Jesus servem justamente para nos fazer perceber que de nada valem as coisas neste mundo, de nada adianta ser o primeiro em uma prova, em uma brincadeira, no trabalho, etc. O que isso tudo pode lhe trazer de bom? Tudo bem, talvez ser o primeiro possa sim nos proporcionar algumas coisas, concordo, mas qual destas coisas é mais preciosa do que a vida eterna? Essa é a pergunta que devemos nos fazer diariamente…

Se estivermos envidando mais esforços para sermos os primeiros aqui na terra do que para cumprir o propósito de Deus, é possível que estejamos negligenciando o serviço do Senhor e, consequentemente, nos tornando cada vez mais os últimos para o reino dos céus.

Não ser o primeiro pode não significar o fracasso e sim a vitória eterna.

Sejamos os últimos!

Humildes e honrados

É necessário que ele cresça e que eu diminua. (Jo 3:30)

Estas palavras evidenciam a humildade de João e o seu desejo de ser identificado como nada desde que pudesse honrar a Cristo.

O propósito de nossas vidas aqui na terra é servirmos de guias para levar os homens até Jesus. Não estamos aqui para fundar nosso próprio partido ou para estabelecer nossa própria religião. Poder falar do Senhor Jesus Cristo aos pecadores deve ser honra suficiente para nós. Nenhum trabalho é tão honroso e alegre como o ministério do evangelho.

A autoridade e a influência de Jesus sobre as pessoas devem crescer. Sua doutrina deve continuar a ser espalhada até que alcance toda a terra.  E para que Cristo cresça, devemos diminuir. Sejamos humildes como João. Humildes para enfrentar nossos medos e fraquezas e, então, assumir o trabalho que temos a fazer: pregar o evangelho. Não importam as falácias, as dificuldades, os confrontos… Estamos aqui para isso e devemos, humildemente, aceitar o trabalho.  Seremos honrados com a glória de Cristo.

Adaptado de Barnes’ Notes on the Bible

Vencendo a oposição

Logo que os judeus começaram a edificar os muros, sob a liderança de Neemias, os inimigos se manifestaram para tentar impedir que a obra fosse adiante (Ne 4:1).  O texto nos diz que Tobias (amonita), Sambalate (governador da Samaria) e Gesén (árabe) ficaram irados e criticaram os edificadores. Havia ali motivos étnicos, políticos e religiosos. Em nenhum momento, houve um ataque armado contra os judeus, mas muitas palavras foram usadas para intimidá-los. Os obreiros foram criticados, chamados de fracos. A obra foi criticada. Disseram que uma simples raposa derrubaria o muro que estava sendo levantado (Ne 4:3). Houve questionamento, acusação, calúnia, fofoca, ameaças (Ne 4; Ne 6). Cartas foram escritas e falsos profetas subornados para tentarem interferir na obra de Neemias (Ne 6).

Palavras são armas. Não podemos nos esquecer disso. Uma palavra pode ‘derrubar’ uma pessoa e destruir projetos e relacionamentos. Esta é uma das principais estratégias de Satanás no combate ao povo de Deus. Quando Jesus foi tentado no deserto, o inimigo usou palavras, com sofismas, propostas e questionamentos na intenção de induzi-lo ao erro (Mt 4). As afirmações malignas são contra o nosso caráter, capacidade e vocação, de modo que fiquemos desanimados e desistamos da missão que o Senhor nos confiou.

Neemias não deu ouvidos ao que o inimigo dizia. Continuou trabalhando com todo empenho. Diante de sua persistência, os inimigos mudaram a tática. Chamaram Neemias para um encontro, aparentemente amistoso. É assim também conosco. Quando Satanás não nos vence pela perseguição, procura aproximar-se de nós com aparência de amizade, transfigurado em anjo de luz (2 Co 11:14). Com isso, os adversários queriam tirar Neemias do seu propósito. Pretendiam interromper o trabalho, causar distração, atraso e, depois, destruição. Não podemos ceder.

Neemias disse: “Estou fazendo uma grande obra, de modo que não poderei descer” (Ne 6:3). Não podemos, nem por um instante, ir até o inimigo. No território dele estaremos muito mais vulneráveis a sucumbir.

Portanto, também nós, uma vez que estamos rodeados por tão grande nuvem de testemunhas, livremo-nos de tudo o que nos atrapalha e do pecado que nos envolve, e corramos com perseverança a corrida que nos é proposta, tendo os olhos fitos em Jesus, autor e consumador da nossa fé. Ele, pela alegria que lhe fora proposta, suportou a cruz, desprezando a vergonha, e assentou-se à direita do trono de Deus. (Hb 12:1-2)

Adaptado do Portal lagoinha.com – A missão de Neemias, por Anísio Renato de Andrade.

O orgulho do império

No auge de seu poder, o Império Babilônico parecia inabalável. Mas quando a Babilônia acabasse de servir ao propósito de Deus de castigar Judá por seus pecados, seria castigada e esmagada por causa de sua iniquidade (a Babilônia foi destruída em 539 a.C).

O orgulho era o pecado característico da Babilônia. Esse sentimento sobrevêm quando nos sentimos auto-suficientes ou acreditamos que não precisamos de Deus. As nações e as pessoas orgulhosas, no fim, sempre fracassam, porque se recusam a reconhecer a Deus como aquele que tem o poder supremo.

Então tropeçará o soberbo, e cairá, e ninguém haverá que o levante;
e porei fogo nas suas cidades, o qual consumirá todos os seus arredores. 

(Jr 50:32)

Livrar-se do orgulho não é fácil, mas se pudermos admitir que ele frequentemente nos domina e pedirmos a Deus para nos perdoar, o Senhor nos ajudará a vencê-lo. O melhor antídoto para o orgulho é colocar a nossa atenção na grandeza e na bondade de Deus.

Fonte: Bíblia de Estudo – Aplicação pessoal (Ed. CPAD)

Cidade sanguinária

E veio a mim a palavra do SENHOR, dizendo:
Tu, pois, ó filho do homem, porventura julgarás, julgarás a cidade sanguinária? Faze-lhe conhecer, pois, todas as suas abominações. 
(Ez 22:1-2)

Deus chama Jerusalém de “cidade sanguinária”. Através dos tempos, e até os dias de hoje, Jerusalém tem sido chamada de “cidade santa”. Mas Deus não a enxergou como santa nesta ocasião.

Ser “santo” significa ser separado, para ser consagrado ou dedicado para o propósito de Deus. Mas Jerusalém não tinha se comportado como uma cidade sagrada por um longo tempo. Agora, só era possível identificá-la como cidade sanguinária.

Deus está olhando para nós hoje… O que Deus diria a nosso respeito hoje?

Mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver; Porquanto está escrito:
“Sede santos, porque Eu sou santo”. 

(1 Pe 1:15-16)

Sejamos santos em Cristo Jesus.

De barro a vaso

Esta é a palavra que veio a Jeremias da parte do Senhor:
“Vá à casa do oleiro, e ali você ouvirá a minha mensagem”.
Então fui à casa do oleiro, e o vi trabalhando com a roda.
Mas o vaso de barro que ele estava formando se estragou-se em suas mãos;
e ele o refez, moldando outro vaso de acordo com a sua vontade.

Então o Senhor dirigiu-me a palavra:
“Ó comunidade de Israel, será que não posso eu agir com vocês como fez o oleiro?”, pergunta o Senhor. “Como barro nas mãos do oleiro, assim são vocês nas minhas mãos, ó comunidade de Israel. 
(Jr 18:1-6)

Quando um vaso de barro era moldado na roda do oleiro, frequentemente surgiam defeitos. O oleiro tinha poder de decidir se o barro continuaria com suas imperfeições ou seria remodelado. Semelhantemente, Deus tem o poder para moldar seu povo, para fazer com que esteja em conformidade com os seus propósitos. Nossa estratégia não deve ser a de ficar descuidados e passivos, como o inanimado barro, devemos mostrar disposição e receptividade ao impacto de Deus em nossa vida. Quando nos rendemos ao Senhor, Ele começa a moldar-nos e a transformar-nos em vasos valiosos.

Fonte: Bíblia de Estudo – Aplicação pessoal (Ed. CPAD)

Não semeeis entre espinhos

Porque assim diz o SENHOR:
“Preparai para vós o campo de lavoura, e não semeeis entre espinhos.”
(Jr 4:3)

Essa mensagem pode parecer estranha para nós, mas certamente era bastante clara aos israelitas, que tinham a agricultura como parte de suas vidas. De qualquer forma, não é difícil compreender, basta um pouco de atenção.

Deus faz duas recomendações que nós, assim como o povo daquela época, devemos observar:

1. Preparai para vós o campo de lavoura

Aqui, está explícito o que devemos fazer. Acontece que preparar o campo para a lavoura exige força, tempo e planejamento. A terra tem que estar pronta na época certa para o plantio. Fazendo tudo corretamente, tempos depois serão colhidos bons frutos.

Deus nos oferece muitas bençãos, mas precisamos estar preparados para colhê-las e, enfim, usufruir delas. Para isso precisamos entender que o propósito de nossa vida é glorificar a Deus, com honra e obediência. Colocando essas atitudes em prática, estaremos preparados para a Sua graça.

Sim, será tão difícil quanto arar a terra na lavoura, mas a recompensa é tão doce quanto o sabor de bons frutos.

2. Não semeeis entre espinhos

Enfim, o que não fazer. Ah, simplesmente semear entre os espinhos é, com certeza, a solução mais rápida. Basta atirar as sementes e pronto. Sem muito esforço e bastante rápido. Seria a solução perfeita, não fosse a ausência de resultados: Não haverá frutos, ou talvez, um ou outro sobreviva, mas não terá bom sabor. Isso porque os espinhos sufocarão as sementes, que não conseguirão se desenvolver de forma apropriada.

Deus nos aleta a não sermos insensatos. Os espinhos podem se comparar ao pecado. Se semearmos o pecado em nossas vidas, seremos envolvidos por ele até sufocar. E pode ser que não tenhamos mais forças para nos livrar dos espinhos.

O pecado pode parecer o caminho mais curto e rápido. De fato, é o caminho mais curto e rápido para a dor e o sofrimento.

 

LEMBRE-SE SEMPRE DESTE BOM CONSELHO:
“Preparai para vós o campo de lavoura, e não semeeis entre espinhos.”

Propósito de salvação

Pois esse é o propósito do Senhor dos Exércitos; quem pode impedi-lo? Sua mão está estendida; quem pode fazê-la recuar? (Is 14:27)

No contexto, as palavras acima se referem à destruição que viria sobre a Babilônia, nação perversa, que despertou a ira do Senhor. Mas a onipotência de Deus também se aplica à salvação, quando Ele a tiver como propósito, não haverá quem seja capaz de impedir.

Que o propósito de Deus em relação a nós seja a salvação e não a destruição! Para isso, precisamos…

  • Ter fé – Porque sem fé é impossível agradar a Deus. (Hb 11:6a)
  • Reconhecer nossas fraquezas – Pois, Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para perdoar os nossos pecados e nos purificar de toda injustiça. (1 Jo 1:9)
  • Crer em Jesus Cristo – Pois ele mesmo nos garantiu: “Quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna e não será condenado, mas já passou da morte para a vida.” (Jo 5:24)

Atribuam ao Senhor a glória que o seu nome merece; adorem o Senhor no esplendor do seu santuário (Sl 29:2), pois Ele, e apenas Ele, tem poder para nos salvar.

Propósito na adversidade

Naamã, comandante do exército do rei da Síria, era muito respeitado e honrado pelo seu senhor. Mas esse grande guerreiro ficou leproso e a possibilidade de cura para ele veio pela boca de uma menina israelita, que vivia como serva em sua casa, depois de ter sido raptada pelos Sírios em um ataque à Israel.

Esta menina poderia ter permanecido calada, afinal, porque faria o bem àqueles que a mantinham como prisioneira e serviçal? Mas ela preferiu falar e deixou que Deus agisse por meio de suas palavras.

Pela iniciativa de uma menina israelita de nome desconhecido, o poderoso comandante Naamã não foi apenas curado da lepra, mas foi liberto da escravidão da idolatria, pois creu no poder e magnitude de Deus, o SENHOR.

Leia a história completa em 2 Rs 5:1-14

Uma menina sequestrada ainda jovem, distanciada de sua família e de sua terra natal, vivendo como serva em uma casa de estrangeiros teria aparentemente todos os motivos para rejeitar a Palavra de Deus. Mas em vez disso, a menina desta narrativa confiou ainda mais no SENHOR e aproveitou as circunstâncias de sua história para propagar as maravilhas do Deus de Israel para o mundo.

Deus tinha um propósito pra esta menina quando permitiu que ela fosse levada ativa à Síria. A fidelidade da moça permitiu que os planos de Deus se cumprissem para sua vida.

E nós, como estamos enfrentando as adversidades? Que Deus nos ajude a enxergar em cada situação o Seu propósito para nossas vidas!