Tag Archive for redenção

Perto pelo sangue

Em quem [Jesus] temos a redenção pelo seu sangue, a remissão das ofensas, segundo as riquezas da sua graça. (Ef 1:7)

Falar sobre o sangue de Jesus era um modo importante de se falar sobre a morte de Cristo. Sua morte indica duas importantes verdades: a redenção e o perdão.

Redenção era o preço pago para obter a libertação de um escravo (Lv 25:47-54). Por meio de sua morte, Jesus pagou o preço necessário para nos libertar da escravidão do pecado.

O perdão, garantido na época do Antigo Testamento, estava baseado no derramamento do sangue dos animais (Lv 17:11). Agora fomos perdoados por causa do derramamento do sangue de Jesus – Ele morreu como o mais perfeito e consumado sacrifício.

Fonte: Bíblia de Estudo – Aplicação pessoal (Ed. CPAD)

Mas agora em Cristo Jesus, vós, que antes estáveis longe,
já pelo sangue de Cristo chegastes perto.
(Ef 2:13)

Não ver e crer

Tomé, um dos doze discípulos, não estava presente quando Jesus apareceu a eles pela primeira vez depois da ressurreição. Embora os outros onze tenham lhe contado o que viram, Tomé permaneceu cético, dizendo: Se eu não vir o sinal dos cravos em suas mãos, e não puser o dedo no lugar dos cravos, e não puser a minha mão no seu lado, de maneira nenhuma o crerei. 

Dias depois, estando os doze reunidos, Jesus novamente se fez presente entre eles e  disse a Tomé: Põe aqui o teu dedo, e vê as minhas mãos; e chega a tua mão, e põe-na no meu lado; e não sejas incrédulo, mas crente.

Crendo, Tomé respondeu: Senhor meu, e Deus meu!

Disse-lhe Jesus:
Porque me viste, Tomé, creste; bem-aventurados os que não viram e creram.

(Leia o texto na íntegra em Jo 20:24-29)

O episódio vivido por Tomé nos trás uma importante lição, pois todas as gerações que se seguiram não tiveram a maravilhosa oportunidade de ver Jesus, ainda assim muitos creram e fizeram a mensagem do evangelho se espalhar pela terra; ainda assim nós cremos. E a mensagem de Jesus fala diretamente a todos nós: Bem-aventurados os que não viram e creram!

Somos bem-aventurados porque:

- Entendemos que Jesus é muito mais do que uma figura ilustre na história da humanidade

- Acreditamos que Seu sacrifício na cruz nos redime de nossos pecados

- Confiamos no Seu poder e onisciência

- Sabemos que Ele vive e está presente em nossas vidas

- Compreendemos que Sua justiça e misericórdia prevalecerão

- Aceitamos a Cristo como nosso único e suficiente Salvador

Misericórdia ou sacrifício

Ide, porém, e aprendei o que significa: Misericórdia quero, e não sacrifício. Porque eu não vim a chamar os justos, mas os pecadores, ao arrependimento. (Mt 9:13)

As palavras acima, ditas por Jesus, são uma citação do Antigo Testamento (veja Os 6:6 e I Sm 15:22) e nos ensinam muitas coisas:

1. Deus prefere um ato de misericórdia demonstrada ao necessitado a qualquer ato de culto religioso. Ambas ações são boas, mas a primeira é bem maior – a misericórdia – e precede qualquer outra.

2. Todo o sistema sacrifical era destinado apenas para apontar para a infinita misericórdia de Deus para com o homem pecador; tratava-se da sombra do viria a ser a verdadeira redenção pelo sangue da nova aliança.

3. Não devemos descansar nos sacrifícios, mas olhar para a misericórdia e salvação prefigurada por eles. Qualquer tipo de sacrifício deve ser feito com coração contrito, em espírito e em verdade, exclusivamente para a honra e glória de Deus.

Somos salvos pela fé e nossas obras, incluídos os sacrifícios, devem ser apenas reflexo de nossa crença.

Mostra-me a tua fé sem as tuas obras,
e eu te mostrarei a minha fé pelas minhas obras.
(Tg 2:18b)

Louvai ao Senhor

Bem-aventurado aquele que tem o Deus de Jacó por seu auxílio, e cuja esperança está posta no SENHOR seu Deus. O que fez os céus e a terra, o mar e tudo quanto há neles, e o que guarda a verdade para sempre.

Redenção enviou ao seu povo; ordenou a sua aliança para sempre; santo e tremendo é o seu nome. 

Exaltado está o SENHOR acima de todas as nações, e a sua glória sobre os céus.
Quem é como o SENHOR nosso Deus, que habita nas alturas?
O qual se inclina, para ver o que está nos céus e na terra! 

Piedoso é o SENHOR e justo; o nosso Deus tem misericórdia.

Louvarei ao SENHOR durante a minha vida;
cantarei louvores ao meu Deus enquanto eu for vivo. 

Louvai ao SENHOR todas as nações, louvai-o todos os povos.
Porque a sua benignidade é grande para conosco,
e a verdade do SENHOR dura para sempre.
Louvai ao SENHOR.

(Sl 146:5-6 / 111:9 / 113:4-6 / 116:5 / 146:2 / 117:1-2)

Trapos imundos

Somos como o impuro — todos nós! Todos os nossos atos de justiça são como trapo imundo. Murchamos como folhas, e como o vento as nossas iniqüidades nos levam para longe. (Isaías 64:6)

O pecado nos torna impuros e nos impede de nos aproximarmos de Deus, como se fôssemos pedintes em trapos imundos, desejando participar da mesa de um rei. Nossos melhores esforços ainda estão contaminados pelo pecado. Portanto, a nossa única esperança é a fé em Jesus Cristo – o único que pode nos purificar e levar à presença de Deus.

Fonte: Bíblia de Estudo – Aplicação pessoal (Ed. CPAD)

Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus;
Sendo justificados gratuitamente pela sua graça,
pela redenção que há em Cristo Jesus.
(Rm 3:23-24)

Sacrifício definitivo

A grande mensagem de Levítico é a santidade de Deus – “…Sejam santos porque eu, o Senhor, o Deus de vocês, sou santo” (Lv 19:2). Mas como podem pessoas pecadoras aproximar-se do Deus santo? Primeiro, é necessário lidar com o pecado. Os primeiros capítulos de Levítico fornecem instruções detalhadas para as ofertas de sacrifício, que constituíam símbolo ativo de arrependimento e obediência. Quer fossem bois jovens, grãos, cabritos ou ovelhas, as ofertas sacrificiais tinham de ser perfeitas, sem defeito ou manchas, simbolizando o sacrifício definitivo que estava por vir – Jesus, o Cordeiro de Deus. Jesus veio e abriu o caminho para Deus, dando sua vida como sacrifício final em nosso lugar. A verdadeira adoração e unidade com Deus se inicia quando confessamos os nossos pecados e aceitamos a Cristo como o único que pode nos redimir do pecado e nos aproximar de Deus.

Fonte: Bíblia de Estudo – Aplicação pessoal (Ed. CPAD)

334º dia: Rm 1-4

Na carta aos romanos Paulo comparou judeus e gregos e afirmou: “Deus retribuirá a cada um conforme o seu procedimento” (Rm 2:6).

Muitos judeus acreditavam que a salvação estava reservada para eles, independentemente de suas condutas, e que os gentios estavam condenados à morte. Paulo explicitamente esclarece o assunto:

Deus dará vida eterna aos que, persistindo em fazer o bem, buscam glória, honra e imortalidade -
judeus ou gregos.

Mas haverá ira e indignação para os que são egoístas, que rejeitam a verdade e seguem a injustiça -
judeus ou gregos.

Haverá tribulação e angústia para todo ser humano que pratica o mal -
judeus ou gregos.

Mas glória, honra e paz para todo o que pratica o bem -
judeus ou gregos.
Pois em Deus não há acepção de pessoas. 
(Rm 2:6-11)

Que concluiremos então? Estamos em posição de vantagem por sermos judeus ou gregos?

Não! Todos estamos debaixo do pecado.

Como está escrito:

“Não há nenhum justo, nem um sequer; não há ninguém que entenda, ninguém que busque a Deus. Todos se desviaram, tornaram-se juntamente inúteis; não há ninguém que faça o bem, não há nem um sequer“. (Rm 3:9-12)

Não há distinção, pois todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus. (Rm 3:22b, 23)

Mas a justiça de Deus se manifestou, mediante a fé em Jesus Cristo para todos os que creem.

Estes são justificados gratuitamente pela graça de Deus, por meio da redenção que há em Cristo Jesus. (Rm 3:21-24)

Louvado seja o SENHOR!

144º dia: Sl 130-132

“Se tu, Soberano SENHOR, registrasses os pecados, quem escaparia?” (Sl 130:3)
Ah, se a salvação dependesse das minhas próprias forças, já não teria mais esperanças. Afinal quem pode discernir os próprios erros? Oh, SENHOR, absolve-me dos que desconheço! (Sl 19:12)
Graças damos, SENHOR, pois contigo está o perdão e em Ti há misericórdia e abundante redenção. (Sl 130:4,7)

80º dia: Jz 9 a 12

Mais uma vez os israelitas fizeram o que o Senhor reprova... (Jz 10:6a)

Depois de 18 anos de opressão, clamaram ao Senhor (Jz 10:8,10). Como um pai que ama seus filhos, Deus repreendeu Israel (Jz 10:11-14), mas em seguida rendeu-se ao amor (Jz 10:16b) e ofereceu-lhes rendenção mais uma vez, deu-lhes a vitória (Jz 11:32). Se dependesse do merecimento de Israel, continuariam cativos no Egito, até os dias de hoje… Mas Deus nos ama e a maior demonstração desse amor está em Jesus Cristo, que morreu por nós.