Tag Archive for vida eterna

Sacrifício perfeito

Primeiro ele [Jesus] disse [a Deus]:
“Sacrifícios, ofertas, holocaustos e ofertas pelo pecado não quiseste, nem deles te agradaste” (os quais eram feitos conforme a Lei).

Então acrescentou:
“Aqui estou; vim para fazer a Tua vontade”.

Pelo cumprimento dessa vontade fomos santificados, por meio do sacrifício do corpo de Jesus Cristo, oferecido uma vez por todas.

(Hb 10:8-10)

O sacrifício de Cristo foi o cumprimento final de tudo o que os sacrifícios de tudo o que os sacrifícios do Antigo Testamento representavam – o perdão de Deus para o pecado.

Por Cristo ser o sacrifício perfeito pelos nossos pecados, estes estão e estarão completamente perdoados – no presente, no passado e no futuro.

Cristo removeu o pecado que nos impedia de ter comunhão e aceitar o seu sacrifício por nós. Crendo nEle, não somos mais culpados, mas limpos e aperfeiçoados. Seu sacrifício desobstrui o caminho para que tenhamos a vida eterna.

Fonte: Bíblia de Estudo – Aplicação pessoal (Ed. CPAD)

Maduros na Palavra

Portanto, deixemos os ensinos elementares a respeito de Cristo e avancemos para a maturidade, sem lançar novamente o fundamento do arrependimento de atos que conduzem à morte, da fé em Deus,
da instrução a respeito de batismos, da imposição de mãos, da ressurreição dos mortos e do juízo eterno. Assim faremos, se Deus o permitir. (Hb 6:1-3)

Certos princípios elementares são essenciais para todos os crentes – todos devem entendê-los. Estas doutrinas básicas incluem a importância da fé, a tolice de tentar salvar-se por meio de boas obras, o significado do batismo e dons espirituais, e os fatos da ressurreição e da vida eterna. Para continuar a amadurecer em nossa compreensão, precisamos ir além (mas não para longe) dos ensinos elementares, tendo uma compreensão mais completa da fé. E isto é o que o autor pretende que seus leitores façam (Hb 6:3). Os cristãos maduros devem ensinar as doutrinas básicas aos novos cristãos. Então, agindo de acordo com o que conhecem, os que são maduros aprenderão ainda mais da Palavra de Deus.

Fonte: Bíblia de Estudo – Aplicação pessoal (Ed. CPAD)

Confiança na vida eterna

Portanto, temos sempre confiança e sabemos que, enquanto estamos no corpo, estamos longe do Senhor.
Porque vivemos por fé, e não pelo que vemos.
Temos, pois, confiança e preferimos estar ausentes do corpo e habitar com o Senhor. (2 Co 5:6-8)

Paulo não tinha medo de morrer porque confiava que passaria a eternidade com Cristo. É claro que enfrentar o desconhecido pode nos causar ansiedade, e a possibilidade de  deixar nossos amados é algo que nos fere profundamente. Mas, se cremos em Jesus Cristo, podemos compartilhar a mesma esperança e confiança que Paulo tinha da vida eterna com Cristo.

Para aqueles que creem em Cristo, a morte é apenas uma passagem para a vida eterna com Deus. Continuaremos a viver. Que esta verdade lhe dê confiança e o inspire a servir fielmente a Deus.

Fonte: Bíblia de Estudo – Aplicação pessoal (Ed. CPAD)

Ovelhas e bodes

E quando o Filho do homem vier em sua glória, e todos os santos anjos com ele,
então se assentará no trono da sua glória;
E todas as nações serão reunidas diante dele, e apartará uns dos outros,
como o pastor aparta dos bodes as ovelhas;
E porá as ovelhas à sua direita, mas os bodes à esquerda.

Então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita:
Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo.

Então dirá também aos que estiverem à sua esquerda:
Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos; 

E irão estes para o tormento eterno, mas os justos para a vida eterna

(Mateus 25:31-34, 41, 46)

 

Sejamos ovelhas do nosso Bom Pastor.

Como?

Amando a Deus acima de todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos (Mt 22:37-39). Amar não apenas com palavras, mas com ações, pois quando alimentamos os que têm fome, oferecemos água aos que têm sede, acolhemos os estrangeiros, vestimos os necessitados e cuidamos dos enfermos, é como se o fizéssemos à Jesus (Mt 25:35-40) e Ele nos bendirá e nos oferecerá como herança o Reino que foi preparado desde a criação do mundo (Mt 25:34).

Quero ser o último

Assentando-se, Jesus chamou os Doze e disse:
“Se alguém quiser ser o primeiro, será o último, e servo de todos”. 
(Mc 9:35)

Muito provavelmente foi dessa afirmativa de Jesus que surgiu o ditado popular: “Os últimos serão os primeiros”. Mas, afinal, quem quer ser o último?

Desde muito cedo surge entre nós um sentimento de competitividade – todos querendo ser o primeiro em alguma coisa. As crianças já disputam entre si: “Você pode ser melhor nisso, mas eu sou muito melhor naquilo!”

Certamente o conselho de Jesus deve frustar a muitos, afinal, como abrir mão de ser o primeiro? Mas as palavras de Jesus servem justamente para nos fazer perceber que de nada valem as coisas neste mundo, de nada adianta ser o primeiro em uma prova, em uma brincadeira, no trabalho, etc. O que isso tudo pode lhe trazer de bom? Tudo bem, talvez ser o primeiro possa sim nos proporcionar algumas coisas, concordo, mas qual destas coisas é mais preciosa do que a vida eterna? Essa é a pergunta que devemos nos fazer diariamente…

Se estivermos envidando mais esforços para sermos os primeiros aqui na terra do que para cumprir o propósito de Deus, é possível que estejamos negligenciando o serviço do Senhor e, consequentemente, nos tornando cada vez mais os últimos para o reino dos céus.

Não ser o primeiro pode não significar o fracasso e sim a vitória eterna.

Sejamos os últimos!

Porta estreita

Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela;
E porque estreita é a porta, e apertado o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem. 
(Mateus 7:13-14)

A porta que leva à vida eterna é reconhecida como estreita. Isto não significa que é difícil tornar-se um cristão, mas que há um único Caminho que conduz à vida eterna com Deus, e que poucos decidem andar por Ele.

O único modo de chegar ao céu é crer em Jesus Cristo, porque apenas Ele morreu por nossos pecados e justificou-nos diante de Deus. Seguir os passos de Cristo pode não dar popularidade, mas é a atitude verdadeira e correta. Agradeça a Deus pela existência deste Caminho!

Adaptado de: Bíblia de Estudo – Aplicação pessoal (Ed. CPAD)

Disse-lhe Jesus:
Eu sou o caminho, e a verdade e a vida;
ninguém vem ao Pai, senão por mim.

(João 14:6) 

Visão do plano perfeito

Ezequiel estava exilado na Babilônia quando em visões de Deus foi levado à terra de Israel (Ez 40:2).

Descrevendo a visão, Ezequiel explica como seria o local da habitação de Deus por meio de palavras que as pessoas podiam entender. Deus queria que vissem o grande esplendor que Ele havia planejado para os que vivessem fielmente.

Um templo como o que viu Ezequiel nunca foi construído, mas a visão tinha o objetivo de mostrar o plano perfeito de Deus para o seu povo: a adoração, a presença do Senhor, as bênçãos decorrentes destas. Ao ler os Capítulos 40 a 43 de Ezequiel, não deixe os detalhes obscurecerem os pontos principais desta visão. Um dia todos aqueles que forem fiéis a Deus desfrutarão a vida eterna com Ele. Deixe a excelência desta visão erguê-lo e ensiná-lo sobre o Deus a quem você serve e adora.

Fonte: Bíblia de Estudo – Aplicação pessoal (Ed. CPAD)

Nem uma lembrança

Aquele que pecar é que morrerá. O filho não levará a culpa do pai, nem o pai levará a culpa do filho. A justiça do justo lhe será creditada, e a impiedade do ímpio lhe será cobrada.

Mas, se um ímpio se desviar de todos os pecados que cometeu e obedecer a todos os meus decretos e fizer o que é justo e direito, com certeza viverá; não morrerá.
Não se terá lembrança de nenhuma das ofensas que cometeu. Devido às coisas justas que tiver feito, ele viverá.
(Ez 18:20-22)

Que difícil depender de nossa própria justiça, não acha?

No antigo testamento ser justo significava adorar a Deus e somente a Ele, não matar, não adulterar, não roubar, guardar o sábado, oferecer sacrifícios, enfim, cumprir a lei.

Mas Jesus ofereceu por nós um sacrifício único e perfeito e fez conosco uma nova aliança. Por que cremos nEle, nossa conduta é transformada, ou seja, matar, roubar, adulterar, etc, deixam de fazer parte de nossas vidas.
E nossas ofensas também serão esquecidas, pois, pelo sangue de Jesus derramado na cruz, fomos santificados (Hb 13:12) e nossos pecados foram lavados (Ap 1:5). Fomos purificados de todo pecado (1 Jo 1:7).

Em Jesus viveremos!

Deus “retribuirá a cada um conforme o seu procedimento”.
Ele dará vida eterna aos que, persistindo em fazer o bem,
buscam glória, honra e imortalidade.
Mas haverá ira e indignação para os que são egoístas,
que rejeitam a verdade e seguem a injustiça.
Pois o salário do pecado é a morte,
mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor.

(Rm 2:6-8 / 6:23)

Deus de todos os lugares

Sou eu apenas um Deus de perto - pergunta o Senhor,
e não também um Deus de longe?
Poderá alguém esconder-se sem que eu o veja? - pergunta o Senhor.
Não sou eu aquele que enche os céus e a terra? – pergunta o Senhor.
(Jr 23:23-24)

No curso da história da humanidade temos visto o homem à procura de um Deus. Na ânsia por satisfazer os seus próprios desejos, muitas civilizações instituíram crenças politeístas, onde cada divindade tratava especificamente de um determinado assunto – havia deuses que controlavam fenômenos naturais, como o mar e os ventos, e ainda aqueles dedicados a sentimentos, como o amor e o ódio. Nesse sistema, de acordo com a carência do momento, o pedido é destinado a um ou outro deus. Infelizmente, o politeísmo não faz parte apenas da antiguidade, mas ainda está presente em muitas religiões modernas e naquelas que sobreviveram ao tempo.

Mas, meu inconformismo fica por conta da necessidade de tantos deuses, afinal, para que ter um deus para perto e um para longe (não, não estamos falando de óculos!), se há um único Deus que está em todos os lugares?

Mais uma vez a resposta está dentro de nós. Nossa teimosia e rebeldia nos faz tentar ser Deus e, por mais estranho que isso possa parecer, estamos tentando ser Deus quando instituímos falsos deuses e os adoramos. Sim, porque somos nós tentando estabelecer o que nós julgamos ser o melhor deus para nós – ainda que seja necessário mais de um.

Não podemos esconder nada de Deus. Ele preenche os céus e a terra. Ele é Deus de tudo e para todos. E os que crêem nEle, e somente nEle, beberão da água da vida.

“Mas aquele que beber da água que Eu lhe der nunca terá sede, porque a água que Eu lhe der se fará nele uma fonte de água que salte para a vida eterna.”
(Jo 4:14)

Propósito de salvação

Pois esse é o propósito do Senhor dos Exércitos; quem pode impedi-lo? Sua mão está estendida; quem pode fazê-la recuar? (Is 14:27)

No contexto, as palavras acima se referem à destruição que viria sobre a Babilônia, nação perversa, que despertou a ira do Senhor. Mas a onipotência de Deus também se aplica à salvação, quando Ele a tiver como propósito, não haverá quem seja capaz de impedir.

Que o propósito de Deus em relação a nós seja a salvação e não a destruição! Para isso, precisamos…

  • Ter fé – Porque sem fé é impossível agradar a Deus. (Hb 11:6a)
  • Reconhecer nossas fraquezas – Pois, Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para perdoar os nossos pecados e nos purificar de toda injustiça. (1 Jo 1:9)
  • Crer em Jesus Cristo – Pois ele mesmo nos garantiu: “Quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna e não será condenado, mas já passou da morte para a vida.” (Jo 5:24)

Atribuam ao Senhor a glória que o seu nome merece; adorem o Senhor no esplendor do seu santuário (Sl 29:2), pois Ele, e apenas Ele, tem poder para nos salvar.